Planeta tem a semana mais quente da história

Planeta tem a semana mais quente da história

Os habitantes do Hemisfério Norte, acostumados com baixas temperaturas, estão derretendo. E não é só lá. O mundo inteiro registrou recordes de calor na semana passada. Parece que o caldeirão está realmente esquentando. E mesmo assim, alguns ainda não acreditam em aquecimento global.

“É realmente inacreditável e uma das ondas de calor mais intensa que já vimos no Hemisfério Norte”, afirmou Nick Humphrey, meteorologista e geocientista no blog Ocean’s Wrath. “As mudanças climáticas fizeram com que as temperaturas disparassem no extremo norte do planeta nos últimos 20 anos. Embora isso tenha sido percebido sobretudo pelas altas temperaturas no inverno, agora cada vez mais pode ser sentido no calor intenso do verão”.

Humphrey relatou surpresa ao constatar o calor atípico na região noroeste da Sibéria e também, na costa do Ártico. A temperatura está 20oC acima do normal. Segundo o meteorologista, até sexta-feira, é possível que as máximas cheguem entre 32º e 35ºC próximo à costa.

“A medida que mais e mais gelo derrete no início da temporada, mais áreas de oceano azul surgem e absorvem mais luz solar. Este aquecimento da superfície do oceano faz com que parte do calor seja liberado de volta para a atmosfera, acelerando o aquecimento da região do Ártico”, explica.

A Europa e os Estados Unidos também estão sofrendo com o calor fora do normal. Países como Escócia, Irlanda e Inglaterra, normalmente frios e chuvosos, mesmo no verão, têm registrado temperaturas acima dos 30oC. No Reino Unido, autoridades estão alertando sobre a possibilidade de um racionamento de água. O mês passado, junho, foi o terceiro mais quente da história desde que começou a ser feito este tipo de monitoramento, em 1910.

Na Geórgia e na Armênia, países da antiga União Soviética, os termômetros bateram os 40,5oC e 42oC, respectivamente. Vale lembrar, que estes lugares, não estão preparados para calores extremos, então é raríssimo que casas, escritórios e lojas tenham aparelhos de ar-condicionado.

Já nos Estados Unidos, onde o presidente Donald Trump diz que aquecimento global é bobagem, em Denver, no Colorado, foi registrado 40,6o no dia 28 de junho. Mais ao norte, no Canadá, na província de Quebec, o sistema público de saúde divulgou que 54 pessoas morreram devido a complicações provocadas pelo calor.

Na África, um novo recorde foi marcado com os 51,3oC na Argélia, superando os 50,7oC de 1961, em Marrocos.

No Brasil também não tem sido muito diferente. Na região Sudeste, cariocas e paulistanos têm aproveitado dias de calor em pleno inverno.

*Com informações do Evening Standard

Leia também:
Derretimento na Antártica triplicou nos últimos cinco anos
Maiores e mais antigos baobás da África morrem e cientistas culpam o aquecimento global
Calor recorde no oceano causou furacão Harvey, mostra estudo

Foto: divulgação Universidade de Maine

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta