Pint of Science: cientistas ‘invadem’ bares de 11 países – Brasil também! – para divulgar pesquisas e popularizar a Ciência


Este festival internacional de divulgação científica foi criado na Inglaterra, em 2013, com o intuito de aproximar a Ciência do público e disseminar projetos de pesquisa. A ideia se espalhou rapidamente para outros países e, de hoje a 17/5, mais de cem cidades de 11 países participam da iniciativa: Brasil (pela terceira vez e é o único da América Latina), Alemanha, Austrália, Canadá, Espanha, França, Irlanda, Itália, Japão, Reino Unido e Tailândia.

Num momento como este em que a área científica sofreu quase 50% de cortes em seu orçamento, esse tipo de iniciativa é muito bem vindo ao nosso país para criar uma nova consciência a respeito de sua importância. Boa parte da sociedade ainda não se deu conta disso.

Assim, 22 cidades brasileiras – dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás, Rio Grande do Norte e do Sul e Piauí (veja quais são no final deste post) – promovem o Pint of Science regado a cerveja, simultaneamente.

O nome vem de uma medida (pint) que equivale a cerca de 500 ml e que define o tamanho do corpo de cerveja tradicionalmente servido em bares e pubs. Mas por que realizar um evento sobre assuntos tão sérios em locais tão descontraídos? Além disso, sabemos dos impactos do consumo de bebida no ser humano.

Pois é… um ambiente descontraído, assim, faz parte da estratégia de seus organizadores (todos voluntários) e dos palestrantes que optaram pela informalidade para se aproximar do público. Todos ficam à vontade e as conversas fluem. Por isso, não há qualquer restrição ao consumo de bebidas durante o Pint of Science, o que vale é o bom senso. Além disso, pesquisas a respeito do consumo de álcool fazem parte da programação: em Botucatu e Belo Horizonte (cerveja) e São Paulo (cachaça).

Os bares, pubs, cafés e restaurantes que aderem à iniciativa não alteram seu funcionamento e não cobram entrada, mas, em vez de apresentarem música como atração, oferecem palestras sobre temas científicos da atualidade a seus frequentadores. Para participar deste Festival de Divulgação Científica sem Fronteiras, não é preciso fazer inscrição, é só chegar!

No Brasil, entre os temas escolhidos pelos palestrantes estão: física quântica, nanotecnologia, big data, buraco negro, zika e alimentação infantil, além de consumo de álcool, como já comentei.

A programação completa pode ser consultada no site do Pint of Science. E veja em que estados brasileiros ele se realizará:
– Bahia (Salvador),
– Distrito Federal (Brasília)
– Goiás (Goiânia),
– Mato Grosso (Dourados),
– Minas Gerais (Belo Horizonte),
– Paraná (Blumenau Curitiba), 
– Piauí (Teresina),
– Rio de Janeiro (Rio de Janeiro),
– Rio Grande do Norte (Natal),
– Rio Grande do Sul (Porto Alegre),
– Santa Catarina (Florianópolis) e
– São Paulo (com dez cidades: AraraquaraBotucatuCampinas, PiracicabaRibeirão PretoSão PauloSantosSão Caetano do SulSão CarlosSorocaba).

Ilustração: Divulgação Pint of Science

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta