Pessoas generosas são mais felizes, comprova estudo científico

generosidade traz felicidade

Generosidade traz felicidade. A afirmação, que nos parece bastante óbvia, inspirou dois neuroeconomistas da Universidade de Zurique (UZH), na Suíça, a fazer um estudo sobre o tema.

Em colaboração com outros pesquisadores internacionais e parceria com a organização filantrópica Templeton World Charity, Philippe Tobler e Ernst Fehr realizaram um experimento em que investigaram e analisaram as reações e interações entre diferentes áreas do cérebro de pessoas que falaram e se comprometem a fazer ações altruístas, ou seja, pelo bem do próximo.

Participaram da pesquisa 50 pessoas. A elas foi prometida uma quantia de dinheiro, que deveria ser utilizada ao final de algumas semanas. Metade dos envolvidos no experimento se comprometeu a gastar o dinheiro com alguém que conhecia (grupo da generosidade), mesmo que isso incluísse sacrifícios, enquanto os demais 50% foram instruídos a usar o dinheiro com eles mesmos.

Em uma segunda etapa, os cientistas pediram para que os integrantes do grupo que iria doar o dinheiro, planejassem detalhadamente como fazê-lo. Enquanto tomavam estas decisões, os participantes tiveram as atividades de três áreas do cérebro mapeadas: a junção temporo-parietal, onde o comportamento pró-social e a generosidade são processados; no estriado ventral, que está associado à felicidade; e no córter orbitofrontal, onde pesamos os prós e contras durante os processos de tomada de decisão.

O resultado do estudo revelou que a generosidade faz as pessoas serem mais felizes e que aqueles que agem pensando somente neles mesmos são menos felizes. De acordo com os pesquisadores, a simples promessa de se tornar mais generoso é suficiente para desencadear uma mudança em nosso cerébro que nos deixa mais felizes.

O que o estudo científico comprova é que indivíduos que se preocupam com o bem-estar dos outros são mais felizes do que aqueles que focam apenas no próprio progresso. O altruísmo gera uma sensação agradável que os neuroeconomistas suíços batizaram de warm glow, algo como, brilho caloroso em tradução livre.

Um dos pontos mais interessantes do estudo mostra que o tamanho da felicidade não está relacionado com o “tamanho” da generosidade. “Você não precisa se tornar um mártir abnegado para se sentir feliz. Somente sendo um pouco mais altruísta é o suficiente”, afirma Philippe Tobler. “É impressionante como a simples intenção de ser mais generoso pode produzir uma mudança cerebral mesmo antes da ação ser realmente realizada”.

Então, o que você está esperando? Quer ser mais feliz? O primeiro passo é a generosidade! Que tal um trabalho voluntário? Neste post, por exemplo, há uma lista de lugares e associações onde é possível ajudar os refugiados. Vamos lá?!

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta