Pesquisadores do Paraná são premiados por criar processo que transforma leite materno em pó

Pesquisadores do Paraná são premiados por criar processo que transforma leite materno em pó

O leite materno é a primeira e mais importante vacina da criança, e além disso, possui todos os nutrientes necessários para o crescimento saudável do nenê. Ele possui anticorpos que protegem a criança contra doenças como diarreia e pneumonia, que são justamente uma das principais causas de mortalidade infantil.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), se todo bebê recebesse exclusivamente o leite da mãe e continuasse a ser amamentado até os dois anos de vida, como complemento de outros alimentos sólidos, aproximadamente 800 mil crianças deixariam de morrer anualmente.

Infelizmente, menos de 40% dos bebês com menos de seis meses são amamentados somente com o leite materno. Os motivos são os mais variados, desde falta de informação até mães que enfrentam problemas e não conseguem produzir leite suficiente. E as fórmulas infantis industrializadas, além de serem caras, não são iguais ao leite da mãe.

Cientes desse problema, dois pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná, desenvolveram um processo para transformar o leite materno em, como alternativa de armazenamento e transporte para os Bancos de Leite Humano (um dos principais desafios enfrentados pelos bancos é lidar com a vida útil do leite líquido ou congelado)

Para conseguir obter o pó, o professor Jesuí Vergílio Visentainer, mestre em Ciência Química de Alimentos, com pós-doutorado pela Laval University, no Canadá, e a nutricionista Vanessa Javera, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos da UEM, utilizaram as técnicas de liofilização (a água que está congelada/sólida nas amostras é transformada em fase gasosa) e a técnica “spray drying” (secagem por pulverização). 

Por causa de seu trabalho, Vanessa e Visentainer foram os grandes vencedores do Prêmio Péter Murányi 2020, que é concedido anualmente para projetos nacionais e internacionais, que promovam descobertas ou progresso científicos inovadores nas áreas de saúde, alimentação, educação ou tecnologia para populações de países em desenvolvimento.

Pesquisadores do Paraná são premiados por criar processo que transforma leite materno em pó

O estudo foi realizado com amostras de leite humano cru:
colostro, transição e maduro

Para os pesquisadores da UEM, outro benefício do leite materno em pó é que ele pode possibilitar o aumento da distribuição, “uma vez que, em razão de sua maior durabilidade, o leite humano em pó pode ser distribuído para unidades bem distantes dos setores de coletas. Ou seja, permitira maior acesso ao material disponível”, acreditam. 

A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH) da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) é considerada uma referência internacional, tida como a maior e mais complexa do mundo. O programa, que disponibiliza leite materno a recém-nascidos de baixo peso (menos de 2,5 kg), alia baixo custo e alta tecnologia. Atualmente são mais de 20 países que replicam o modelo brasileiro – entre eles, Rússia, Índia, China, África do Sul, Argentina, Paraguai e Uruguai.

*Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Universidade de Maringá

Leia também:
Coordenador da Rede Brasileira de Banco de Leite Humano recebe um dos mais importantes prêmios da saúde mundial
Campanha arrecada frascos de vidro para doação de leite materno em todo país

Amamentação vale ouro!
Bebês só devem tomar suco de fruta depois de um ano, diz nova recomendação de pediatras americanos
Proibida publicidade que interfira na amamentação infantil

Fotos: Nerissa Ring/Creative Commons/Flickr (abertura) e divulgação

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta