Pescadores islandeses são flagrados com baleia azul morta, espécie em risco de extinção e com a caça proibida


Pescadores islandeses são flagrados com baleia azul morta, espécie em extinção com caça proibida

A baleia azul (Balaenoptera musculus) é o maior animal do planeta. Pode pesar até 200 toneladas, ter mais de 30 metros de comprimento e seu coração o tamanho de um fusca. Apesar de suas dimensões impressionantes, a espécie é considerada ameaçada de extinção. Segundo o WWF International, aproximadamente 360 mil baleias azuis foram mortas nas águas da Antártica no século 20.

Estima-se que restem entre 10 mil a 25 mil indivíduos em nossos oceanos. Por isso, sua caça é proibida desde a década de 80.

Mas um flagrante feito pela organização de proteção às baleias Hard to Port mostra uma baleia azul morta por pescadores em Hvalfjordur, na Islândia. O animal gigantesco é provavelmente um filhote, acreditam especialistas que examinaram a imagem.

A empresa de pesca onde a baleia estava alegou que o exemplar não é uma baleia azul, mas uma baleia fin (Balaenoptera physalus) ou uma baleia híbrida, resultado do cruzamento de duas espécies, e que na Islândia, as duas últimas não têm a caça proibida.

Rapidamente, um grupo de pesquisadores e cientistas de cetáceos de diversos países do mundo divulgou um comunicado afirmando que todas as características morfológicas da foto apontam que o animal morto seja uma baleia azul e que exigem uma investigação sobre o caso.

Segundo a legislação islandesa, navios flagrados caçando baleias não permitidas devem ser confiscados no porto e mantidos ali até que a corte chegue a um veredicto e seu capitão seja julgado.

Os cientistas pedem ainda que testes genéticos sejam realizados com a baleia morta para que seja comprovada sua espécie. Eles ressaltam que mesmo que a baleia seja híbrida, ela deveria ter sido preservada pois é muito rara e desta maneira, importantíssima para estudos científicos e a compreensão de seus hábitos e existência.

O governo da Islândia afirmou que irá investigar o caso e que exames de DNA serão realizados.

Durante séculos, a carne e o óleo da baleia eram utilizados nos países nórdicos. Infelizmente, hoje em dia, alguns deles ainda matam baleias, sobretudo, pela carne, considerada uma iguaria.

Em 2013, a Islândia estabeleceu uma “cota” de caça de 154 baleias fin e 229 baleias mink por ano. O país, assim como o Japão, não segue a moratória internacional de proibir a caça de qualquer tipo de espécie de baleia.

Leia também:
Baleia encontrada morta na Tailândia tinha 80 sacolas plásticas no estômago
Japoneses matam mais de 300 baleias para “pesquisas científicas”
Baleia cachalote encontrada morta na Espanha tinha 29 kg de plástico no estômago
Uma baleia encalhada às margens do rio Sena, em Paris? Desde 2008 isso acontece em praias e rios europeus

Foto: divulgação Hard to Port 

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta