Perereca rara, que além de pular, consegue caminhar, é encontrada em Rondônia

Perereca rara, que além de pular, consegue caminhar, é encontrada em Rondônia

A Phyllomedusa camba não é uma perereca comum. A espécie, que pode ser encontrada em regiões da Bolívia, Peru e Brasil, é de um verde bastante vibrante. Todavia, o que é mais peculiar nesse anfíbio é a disposição dos dedos de suas patas.

“Este é um animal exótico, que possui dedos de ‘polegar’ opositores aos outros, o que a permite caminhar, em vez de apenas pular. Além disso, essa característica favorece a rã a agarrar melhor nas folhas e galhos pelas quais se desloca, o que fez ela e outras espécies semelhantes ganharem o nome coloquial de ‘Perereca-macaco’”, explica Marcela Almeida, secretária municipal de Meio Ambiente de Vilhena, em Rondônia.

A perereca foi capturada por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que em conjunto com professores e estudantes de biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifro) e a parceria da Secretaria de Vilhena, fazem parte do projeto “Anfíbios do Sul de Rondônia”, que tem como objetivo catalogar as espécies da região.

“Estudar os anfíbios da região é fundamental, pois muitas espécies aqui não são conhecidas ou não foram registradas ainda no Cone Sul. Como vivemos em uma zona ecótona, de transição da Floresta Amazônica e do Cerrado, há a possibilidade de encontrarmos espécies novas que já podem estar em perigo de extinção”, avalia Gabriele Bersch, estudante que acompanhou a expedição.

A perereca-macaco, que além de pular, caminha

O estudo das espécies pode ajudar também no controle de doenças entre os seres humanos. É o caso, por exemplo, da contribuição dos anuros, animais anfíbios que não possuem cauda como rãs, sapos e pererecas.

“Os anuros comem em média mil insetos por dia. Isso ajuda a reduzir a população de insetos transmissores de doenças. Além disso, como eles são muitos sensíveis à mudanças de temperatura, umidade e pluviometria, são ainda bioindicadores da preservação ambiental, ou seja, por meio da presença ou ausência desses animais, conseguimos medir a degradação ou não de um determinado local”, destaca o biólogo Thiago Baldine.

Em setembro, os pesquisadores do projeto já tinham observado outro anfíbio curioso: uma perereca fluorescente. “É um bicho que não é tão difícil de achar. Foi descoberto há pouco tempo que, quando a gente coloca uma luz ultravioleta, ele brilha. E isso é interessante porque faz com que esses animais consigam um sucesso reprodutivo maior”, disse Baldine, ao portal G1 Rondônia.

A perereca ‘fluorescente’ fará parte do catálogo
de anfíbios do sul de Rondônia

*Com informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vilhena

Leia também:
América do Sul abriga mais de 2,5 mil espécies de sapos, rãs e pererecas
Rãs, pererecas e sapos infectados por nanavírus são descobertos na Mata Atlântica
Abelhas, gafanhotos, sapos, tatus e serpentes foram os mais atingidos pelos incêndios na Amazônia
Descoberta duas novas espécies de mini sapos no Paraná

Fotos: Thiago Baldine/arquivo pessoal

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta