Pelo planeta, Jane Fonda usa vestido antigo no Oscar para manter promessa de não comprar mais nenhuma roupa nova

Pelo planeta, Jane Fonda usa vestido antigo na festa do Oscar para manter promessa de não comprar mais nenhuma roupa nova

A cerimônia da entrega do Oscar, prêmio dado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, é uma das noites mais aguardadas e glamorosas por quem gosta não apenas de cinema, mas também, de moda. Celebridades desfilam pelo famoso tapete vermelho as últimas tendências e criações dos mais renomados designers e das mais chiques (e caras) marcas do mundo. E uma das atrizes que mais brilhou este ano foi Jane Fonda, mas por uma razão bem inusitada.

A atriz e ativista americana escolheu um vestido antigo, que ela já tinha usado em 2014, no Festival de Cannes, na França, para apresentar o principal prêmio da noite, o de Melhor Filme, conquistado pelo sul-coreano Parasita.

Em outubro, inspirada pelo movimento #FridaysForFuture, criado pela jovem ativista sueca Greta Thunberg, e pelo livro On Fire: The {Burning} Case for a Green New Deal, da economista e também ativista Naomi Klein, ela sabia que precisava agir. Que não estava fazendo o suficiente.

Jane começou a participar dos protestos Fire Drill Fridays, contra a crise climática, em frente ao Capitólio, em Washington D.C., conforme mostramos nesta outra reportagem.

Durante as manifestações, a ativista, de 82 anos, foi detida pela polícia em diversas sextas-feiras e recebeu a companhia de outros atores, como Joaquin Phoenix e Martin Sheen.

Mas para enfrentar o frio da capital americana, a atriz comprou um casaco vermelho e prometeu que aquela seria a última peça de roupa nova que entraria em seu guarda-roupa. Jane disse que a participação nos protestos a fez repensar o consumo excessivo a que estamos acostumados e o desperdício gerado pelo mundo da moda (assista ao vídeo abaixo, em inglês).

No domingo, ao entrar no palco do Oscar, ela estava carregando seu casaco vermelho – um sinal claro de que estava levando para o evento o símbolo de seu protesto nas ruas.

Mesmo tendo voltado para Los Angeles, onde mora, Jane Fonda continua organizando novas manifestações na Califórnia. Seu principal alvo são as companhias que exploram combustíveis fósseis, como petróleo, carvão e gás, apontadas como as principais responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa e como consequência, o aumento da temperatura na atmosfera da Terra.

Nas décadas de 70 e 80, Jane foi uma crítica contundente das guerras em que os americanos estavam envolvidos. Alinhada com os partidos de esquerda, ela viajou até Hanoi para denunciar os bombardeios dos Estados Unidos no Vietnã.

Leia também:
Jane Fonda apoia a desobediência civil pelo clima – “mesmo com o risco de sermos presos” – e convida os brasileiros a aderir
“Somos a última geração que pode fazer a diferença entre a vida e a morte do planeta”, diz Jane Fonda
“Nos tornamos muito desconectados do mundo natural”, diz Joaquin Phoenix, no Oscar, em mais um discurso inesquecível
Oscar 2020: desigualdade de gênero e raça se destaca nos discursos da noite, que também teve protesto pelos indígenas brasileiros
Indústria da moda desperdiça um caminhão de tecidos por segundo

Fotos: reprodução Instagram Jane Fonda

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta