Pau-brasil, árvore preciosa

post9

Se existe uma árvore que sempre está em pauta e atrai a atenção, seja no imaginário, na curiosidade, ou na conversa despretensiosa, essa árvore é o pau-brasil. Por inúmeras razões, mas talvez principalmente pelo fato de que você e eu, ao nascermos brasileiros, de alguma maneira já ficamos conectados com ela. Podemos dizer que pau-brasil faz parte da identidade primordial dos cidadãos brasileiros há, pelo menos, 500 anos.

Ela é uma linda leguminosa que adora ambientes quentes e úmidos, natural da Mata Atlântica desde o estado do Rio de Janeiro até o extremo nordeste. Mas, atualmente, esta espécie tão simbólica é encontrada em todo o território brasileiro e, com certeza, além dele. Em geral, quem a planta deseja prestar uma homenagem à árvore símbolo do país, ou mesmo semear o carinho, cuidado e agradecimento por tantas irmãs que, ao longo da história, executamos. E isto é gravíssimo já que esta espécie está quase extinta na natureza devido aos abusos que sofre.

Mas porque esta árvore tem sido tão visada? Lá no início da nossa história, por seu pigmento vermelho, extraído principalmente da madeira e usado para tingimento de tecidos da nobreza. Além disso, ela é a melhor madeira para a confecção dos arcos de violinos, sem falar de outros instrumentos e móveis diversos.

Cientificamente, ela é Caesalpinia echinata, da família Fabaceae. E ainda recebe outros nomes populares: Ibirapitanga, pau-pernambuco, pau-de-tinta, orabutã. Entre suas características marcantes, estão: madeira vermelha, tronco e fruto espinhoso; folhas brilhantes, na cor verde-bandeira; flores amarelas vibrantes com miolos vermelhos; semente arredondada e achatada na cor marrom e casca acinzentada e descamante que revela sua cor, seu coração.

Encontrar um pau-brasil pelo caminho, saber que ele está lá, é um momento único no tempo. Por isso, reverencie a existência e a presença dessa árvore preciosa. Mostre que se importa, conecte seu coração, a história da sua vida, e agradeça.

De tempos em tempos, conduzo pequenos grupos de amigos e familiares, grupos escolares, crianças e grupos corporativos e espontâneos em caminhadas para restabelecer a conexão com a natureza. Trata-se do Passeio Verde, vivência na qual aplico, com maior profundidade, a metodologia de sensibilização que desenvolvi com o Instituto Árvores Vivas. São muitos os roteiros pelos quais conduzo essa vivência: parques e áreas naturais, praças, ruas e bairros arborizados, sítios e áreas de reserva particulares ou públicas.

Aqui, em São Paulo, não é difícil encontrar o pau-brasil pelo caminho. E a maioria dos participantes das vivências revela não conhecer a árvore com propriedade. Eu e minha equipe estimulamos a apreciação mais aprofundada, o desenvolvimento de um repertório de percepção que inclui diversos sentidos. Convidamos todos a sentir os falsos espinhos (acúleos), o desenho e a textura das folhas e da casca; o aroma das flores, quando na primavera, e, se tivermos sorte, encontrar suas vagens e sementes. Mas, mais do que tudo isso, convidamos todos a sintonizar com essa espécie de forma mais sutil.

Existem indivíduos de pau-brasil antigos, alguns centenários, outros (raríssimos) com dois séculos de vida. Aparentemente, existe uma árvoreno estado da Bahia, com cerca de 500 anos. Mesmo assim, a espécie segue ameaçada de extinção no ambiente natural, segundo dados da Lista Vermelha da IUCN – International Union for Conservation of Nature.

Nestes anos de vivência com o pau-brasil, conheci alguns exemplares marcantes e antigos. Um deles, mora no meio da cidade de São Paulo, no bairro da Vila Madalena, onde, sempre que dá, levo os grupos para conhecer. E este sempre é um momento precioso. Mas, independente desse trabalho, a visito com frequência, sozinha ou com minha família e amigos. Sempre agradeço muito sua existência e passo algum tempo admirada e encantada.

Para estimular ainda mais estes encontros preciosos, convido você a participar do primeiro mapeamento colaborativo do pau-brasil. Com ele, quero organizar as informações a respeito de todos os indivíduos da espécie existentes no país, que a sociedade pode ajudar a monitorar e cuidar. Será um trabalho contínuo, com o qual todos podem colaborar. Este é o primeiro mapeamento de uma série que serão lançados, sendo um para cada árvore marcante dos nossos caminhos.

Quer ser guardião do pau-brasil? É simples e fácil: basta acessar o formulário e preencher os campos com as informações solicitadas sobre cada árvore. Vai ser um prazer enorme contar com você e todas as pessoas comprometidas com a conservação desta espécie tão simbólica para todos nós.

Foto: Juliana Gatti

Juliana Gatti

Mestranda na área de Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável, sua pesquisa dedica-se a avaliar a influência da natureza na qualidade de vida de crianças e sociedade. Idealizou o Instituto Árvores Vivas em 2006, onde promove ações de conexão com a natureza por meio de apreciação, restauração e fomento da cultura ambiental.

15 comentários em “Pau-brasil, árvore preciosa

  • Pingback:Moradores, prefeitura e empresas plantam um milhão de árvores em Nova York - Conexão Planeta

  • Pingback:Pau-brasil, árvore preciosa | Além da Mídia

  • 23 de novembro de 2015 em 3:27 PM
    Permalink

    Boa tarde Juliana Gatti

    li o seu artigo sobre o pau-brasil e fiquei encantada com seu projeto de mapear todos que existem no Brasil. Ainda ontem estava falando com uma amiga sobre o pau-brasil, cuja mãe tinha dois deles em um terreno em São Paulo. Uma vez ela estava preocupada com dois pinheiros enormes que tambem estao no terreno e chamou um “especialista” que assegurou que os dois pinheiros nao apresentavam risco de cair, mas ao ver os dois exemplares de pau-brasil, perguntou se ela fazia as podas regulares das duas árvores, como exigia a lei. Quando ela negou ele disse que se viesse um fiscal na casa dela e descobri as árvores, ela levaria uma multa imensa. Ela ficou com receio e mandou derrubar as duas árvores. Eu acho muito estranho que exista uma legislacao a respeito de podas de uma arvore que é nativa das matas, onde com certeza nao recebe poda nenhuma. você saberia me informar se existe de fato esta lei?
    Agradeço a atenção, Rosangela

    Resposta
    • 23 de novembro de 2015 em 5:45 PM
      Permalink

      Rosangela,

      nunca ouvi falar dessa lei. Não faz sentido algum. Pelo contrário é totalmente contra a lei podar ou derrubar qualquer árvore de pau-brasil. Isso está me parecendo, infelizmente, que alguém tinha interesse na madeira delas que ainda é muito procurada e visada no mercado ilegal de madeiras. Muito triste saber disso, duas árvores foram sacrificadas injustamente, com certeza.

      Resposta
  • Pingback:Você viu o pau-brasil por aí? Conte para o Instituto Árvores Vivas e torne-se um guardião da espécie - Conexão Planeta

  • Pingback:Pau-brasil, árvore preciosa | Blog do Instituto Árvores Vivas

  • 21 de fevereiro de 2016 em 6:05 PM
    Permalink

    sou morador de ubatuba em duas arias que minha mãe com meu padrasto Valter compraram nestes 15 anos eles plantaram no minimo 10 mudas de pau brasil hoje já esta adutas.

    Resposta
    • 23 de fevereiro de 2016 em 12:22 PM
      Permalink

      Olá Fabio
      que bom saber que você e sua família possuem conexão tão respeitosa com o pau-brasil. Por favor faça o cadastro destas árvores em nosso mapeamento é só acessar o formulário neste link https://goo.gl/2ExPAS

      Resposta
  • 5 de março de 2016 em 8:45 PM
    Permalink

    Juliana, assisti artigo no Reporter Eco citando seu espaço para mapeamento do Pau-Brasil. Achei iniciativa adorável e vou contribuir como puder. Gostaria que você fizesse mapeamentos de outros exemplares que merecem toda nossa atenção, além do nobre Pau-Brasil, Cito, como exemplo, nosso majestoso Pinheiro-do-Paraná, exemplares proeminentes como o Chichá (lembre daquele belo exemplar que vive no Largo do Arouche) e várias outras árvores de destaque. Lebro de alguns exemplares de Suinã-Branca que vivem ali na Av. Cupecê e das quais coletei material e fiz mudas, plantando-as em outro local para difundir um pouco a espécie, que é meio rara. No mais, parabéns pela iniciativa e atitude!

    Resposta
    • 10 de maio de 2016 em 7:06 PM
      Permalink

      Robson agradeço muito sua presença e comentário aqui no espaço que temos neste portal. Fico feliz que queira contribuir, precisamos muito desse apoio de cada pessoa interessada que já guardiã das árvores! Certamente faremos lançamento de novos mapeamentos, justamente o próximo será de Araucarárias. Estamos alinhados em nossa visão, que bom! A Erithryna branca realmente é rarissima, se tiver mudas ou sementes também gostaria de germinar e cuidar delas. Quando puder me envie um email indicando o local, que logo mais farei uma visita para elas na Cupecê! Abraço

      Resposta
  • 21 de fevereiro de 2017 em 1:21 PM
    Permalink

    Ao pessoal de SP, seria interessante e quem faz tá contribuindo com o meio ambiente, e plantando árvores nativas da região de São Paulo, o pau brasil e uma árvore exótica ai, e claro existe árvore tão bonitas igual o pau brasil. Sobre história, árvore não tá nem para história, apenas as pessoas, árvore que e está viva, igual nos.

    Resposta
    • 21 de fevereiro de 2017 em 7:42 PM
      Permalink

      Olá Verde Belo agradeço muito seu contato e interesse em realmente estimular o planto de nativas. Estou com você neste propósito. No entanto o mapeamento que realizamos é para identificar as árvores já plantadas, mesmo em local onde a espécie é considerada exótica. Pois sendo uma espécie em risco de extinção é importante conhecer essa distribuição para posterior análise da variabilidade genética dessas árvores existentes em todo o Brasil. Assim iremos garantir que a recuperação da comunidade de pau-brasil nas áreas onde é nativa seja a mais diversificada possível, tornando-a ainda mais resiliente para a reestruturação gênica da população. Sobre a questão de exóticas nós temos de compreender que mesmo as árvores nessa categoria são importantes para a função ecológica ambiental que cumprem, ainda mais no ecossistema urbano que na maioria das vezes está totalmente deficiente de massa arbórea mínima necessária para a qualidade de vida no local.

      Resposta
      • 2 de março de 2017 em 3:51 PM
        Permalink

        Show, Juliana!!! Sem desmerecer comentários antagônicos, é como você disse: há sempre um objetivo nobre que nem todos conhecemos quando observamos a superfície das coisas. Firmeza, continue!

        Resposta
  • 4 de abril de 2018 em 7:04 AM
    Permalink

    Tenho muita vontade de encontrar árvores de Pau Brasil na cidade de São Paulo. Gostaria de saber onde estão localizados alguns exemplares.

    Resposta
  • 7 de maio de 2018 em 12:05 PM
    Permalink

    Juliana bom dia !!!! Também adoro árvores, recentemente plantei ao lado da minha empresa uma muda de pau brasil que ganhei do meu filho, plantei junto com a minha neta que tem 03 anos. Árvore está linda, é jovem e tem mais ou menos um metro e meio de altura, mas está com muitos galhos (lindos por sinal) precisa ser podada ou não ? Quando me responder por e-mail te mando uma foto dela.

    Resposta

Deixe uma resposta