Pasta de dente precisa mesmo ser vendida em caixa? Os islandeses decidiram que não!


Pasta de dente precisa mesmo ser vendida em caixa? Os islandeses decidiram que não!

Pense bem. Qual é a primeira coisa que você faz depois de abrir a embalagem de uma pasta de dente nova? Jogar a caixa no lixo, certo? Assim como você, milhões de pessoas no mundo todo fazem a mesma coisa. Só nos Estados Unidos, estima-se que 900 milhões dessas embalagens sejam descartadas por ano. Imagine só, o número global então…

E aí, surge a segunda pergunta. É preciso mesmo que a pasta de dente venha dentro de uma caixa, já que o produto tem uma embalagem própria de plástico? A resposta é não!

Vale lembrar que alguns modelos delas são vendidos em tubos que ficam em pé e fora da caixa. A caixa de papel tem uma função estética, que foi mantida pelo marketing das grandes multinacionais ao longo das últimas décadas e jamais repensada. Apesar de papel/cartolina ser reciclável, não há razão para continuar desperdiçando água e energia para a sua produção. Além disso, a fabricação da embalagem extra adiciona custo desnecessário para as empresas e para os consumidores.

Pois na Islândia, 90% dos tubos de pasta de dente são vendidos sem caixa. O mais engraçado é que são feitos pelas mesmas empresas que comercializam seus produtos em outros países.

E por que lá é diferente? Porque governo e população decidiram que era hora de mudança. De evitar o desperdício e de ter um consumo mais consciente.

Quem trouxe o assunto à tona recentemente foi o chileno, Alan Rodrich, que roda o mundo produzindo vídeos e os publicando na internet. Ele também é o criador de um abaixo-assinado no site Change.org, que tem o objetivo de pressionar as grandes companhias a deixar de usar caixas na venda das pastas de dente. Vai lá, assina rapidinho agora!

Mais (boas) novidades na Islândia

E a partir do ano que vem, não serão só as caixas de pasta de dente que sumirão das prateleiras da Islândia. Entrará em vigor uma nova lei que proíbe o uso e a venda dos chamados plástico de uso único, ou seja, utilizados uma vez só e depois descartados.

A partir de 1o de janeiro de 2020, serão banidos talheres, pratos e copos descartáveis, além de cosméticos produzidos com micropartículas plásticas, canudos e sacolas desse mesmo material. Estas últimas deixarão de ser comercializadas e distribuídas um ano mais tarde, em 2021.

O governo quer estimular a população a ter o hábito de utilizar sacolas reutilizáveis e os comerciantes de vender produtos em quilo, assim os consumidores também poderão levar suas próprias embalagens às lojas – exatamente como era feito no passado.

Outra medida a ser adotada é junto a prefeituras e estados para melhorar a coleta de materiais recicláveis e ainda, promover incentivos fiscais para aqueles que cumprirem a nova legislação

*Com informações da Iceland Magazine

Leia também:
Embalagem biodegradável é feita com folhas de tomate e papelão reciclado
Impressão a laser é alternativa à embalagem plástica
Jovens criam telha ecológica a partir de fibra de coco, papel reciclado e embalagem Tetra Pak
Pringles é exemplo de pior embalagem para ser reciclada, afirma especialista
Embalagem de salgadinho… Recicla?!
Fabricante de cerveja cria embalagem comestível e biodegradável

Foto: reprodução vídeo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

5 comentários em “Pasta de dente precisa mesmo ser vendida em caixa? Os islandeses decidiram que não!

  • 23 de janeiro de 2019 em 11:43 AM
    Permalink

    Muito boa a idéia se levarmos em conta o desnecessário desperdício da caixinha de papelão, perfeitamente dispensável. Porém se considerarmos o tempo de decomposição na natureza, aí o bicho pega porque: o tubo da pasta é composto por 75 % de plástico e 25 % de alumínio o que representa maiores danos à natureza do que o papelão, quando descartados, já que: papel e papelão se decompõem em 6 meses; alumínio, de 200 a 500 anos e o famigerado plástico até 400 anos. Agora, como é que conseguiremos comprar a pasta de dentes sem a caixa de papelão (para evitar o desperdício) e sem o tubo (para evitar a poluição ambiental)?!?!
    http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/reciclagem/tempo_de_decomposicao_do_materiais.html

    Resposta
  • 24 de janeiro de 2019 em 3:19 PM
    Permalink

    Essa semana arrumando minhas compras fiz esta mesma pergunta ao meu marido…Porquê? se é a primeira coisa que faço é jogar a cx fora.

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2019 em 2:46 PM
    Permalink

    Mandei uma proposta de alteração no processo de embalagem para: Colgate, Close-up e ORAL B.

    Na proposta ZERA o uso de embalagens individuais. Nesta proposta também apresento alternativa de embalagens com um custo muito eum visual muito bom.

    Resposta
    • 25 de janeiro de 2019 em 5:35 PM
      Permalink

      Nossa, Flavio, que bacana!
      Não tem um site ou petição sobre isso para divulgarmos?
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta