Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor

Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor

Para reduzir o calor e melhorar a qualidade do ar da capital parisiense, que anda batendo temperaturas recordes neste verão europeu, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou um projeto de 72 milhões de euros com o objetivo de plantar florestas urbanas ao redor de algumas das principais regiões da cidade.

Os novos parques e jardins devem abranger uma área de 30 hectares, com o plantio de 20 mil árvores até o final de 2020. Atualmente, apenas 9,5% da capital possui cobertura de vegetação.  

A princípio foram escolhidos quatro locais da cidade para receber as florestas urbanas: Hôtel de Ville, L’opéra Garnier, Gare de Lyon e as margens do Rio Sena.

Um projeto específico para a Torre Eiffel também foi desenvolvido, especificamente para a realização dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024. Mais árvores, jardins e gramados serão plantados no entorno da mais famosa atração turística do país.

“Temos a obrigação de agir agora para evitar que essa cidade se torne impossível de morar”, disse Hidalgo, em entrevista ao Le Parisien.

Projeto vencedor de escritório britânico de arquitetura
para levar mais verde para a região da Torre Eiffel

Em junho, a temperatura esteve 10ºC acima da média na Europa. Na França, os termômetros registraram 45,9oC, em Gallargues-le-Montueux. O calor foi tanto, devido a uma massa de ar quente vinda do Deserto do Saara, que o governo cancelou as aulas nas escolas e suspendeu um exame nacional que aconteceria. A prefeitura de Paris espalhou bebedouros e vaporizadores de água por toda a capital. E julho não foi diferente: foi o mais quente da história.

A construção de mais áreas verdes em Paris faz parte de um projeto maior, lançado em 2018, o Plan Climat, que, até 2050, pretende que a cidade tenha 50% de sua superfície coberta com vegetação, e nos próximos 30 anos, se torne carbono neutra.

Cidades precisam de árvores

A presença de vegetação em grandes metrópoles é importantíssima porque serve para minimizar o fenômeno chamado de “ilha de calor”, que acontece em cidades com muitas construções e edifícios. Nesses lugares a temperatura é sempre mais alta porque o calor fica ‘preso’ ali e não consegue se dissipar.

As altas temperaturas matam mais de 12 mil pessoas por ano no planeta e, por isso, são um dos eventos mais ameaçadores, relacionados ao clima. Os idosos são as maiores vítimas, seguidos pelas crianças.

Além de reduzir a temperatura, já que oferecem sombra e liberam vapor d’água, árvores melhoram a qualidade do ar em centros urbanos e ajudam a diminuir os estragos provocados por enchentes, ao fazer com que o solo escoe a água da chuva mais rapidamente.

Em 2016, mostramos aqui, nesta outra matéria, como um estudo da ONG The Nature Conservancy revelou que basta investir 4 dólares/ano por habitante no plantio de árvores para salvar 4 milhões de pessoas.

*Com informações do Le Parisien e Deutsche Welle

Leia também:
Projeto Pomar Urbano plantará 30 mil mudas de árvores nas margens do Rio Pinheiros, em São Paulo
Juntos, moradores e prefeitura de NY plantam um milhão de árvores
Cidade inglesa vai plantar 3 milhões de árvores: uma para cada homem, mulher e criança que vive nela
As árvores mais indicadas para plantar na cidade de São Paulo
‘Quando nos conectamos com as árvores, caminhamos em direção aos nossos sonhos’, diz Satish Kumar
Mapa colaborativo de árvores frutíferas dissemina conhecimento e incentiva plantio

Foto: @42north on unsplash e ilustração divulgação/cortesia Gustafson Porter + Bowman

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta