Papa Francisco conclama empresas petrolíferas a investir em energia limpa

Papa Francisco conclama empresas petrolíferas a investir em energia limpa

Em encontro inédito esta semana, na Academia de Ciências do Vaticano, com diretores de companhias do setor energético, sobretudo, petróleo e gás natural, o Papa Francisco afirmou que, apesar de milhões de pessoas no mundo ainda não terem acesso à eletricidade, é preciso desenvolver meios para utilizar os recursos naturais sem criar desequilíbrios ambientais e a deterioração e poluição do planeta, prejudiciais à família humana.

“A qualidade do ar, o nível do mar, as reservas adequadas de água doce, o controle climático e o equilíbrio de delicados ecossistemas – tudo vem sendo afetado pela maneira como os seres humanos satisfazem sua “sede” de energia”, lamentou.

Ainda segundo o Chefe da Igreja Católica, é um erro acreditarmos que a energia e outros recursos naturais são infinitos ou podem se renovar rapidamente e que, os impactos negativos dessa exploração podem ser revertidos.

Francisco citou a encíclica sobre o Meio Ambiente – Laudato Si –, publicada em 2015, em que ele denunciou, de forma veemente, a exploração dos pobres e o desperdício dos recursos naturais. Nela o pontífice cita também a importância da transição energética para fontes renováveis, mais limpas e eficientes, com o objetivo de evitar mudanças climáticas desastrosas que poderiam comprometer o bem-estar e o futuro desta e das próximas gerações.

“Este é um desafio de proporções épicas. Ao mesmo tempo, é uma oportunidade imensa de encorajar esforços para assegurar maior acesso à energia por parte dos países menos desenvolvidos, especialmente em áreas periféricas, bem como para diversificar as fontes de energia e promover o desenvolvimento sustentável de formas renováveis de energia”.

O papa ressaltou ainda que o desafio é interconectado. Para eliminar a fome e a pobreza, como prevêem os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, é necessário fornecer eletricidade para mais de 1 bilhão de pessoas que ainda vivem no escuro. Todavia, esta energia têm que ser limpa, ao reduzir sistematicamente a dependência global aos combustíveis fósseis. “Nosso desejo de garantir energia para todos não deve provocar uma  espiral de extremos climáticos, como o aumento catastrófico das temperaturas globais e dos níveis de pobreza”, alertou.

O Sumo Pontífice lembrou ainda aos presentes no encontro sobre o Acordo de Paris, assinado em dezembro de 2015, por 196 nações, que se comprometiam a limitar o aumento da temperatura global abaixo de 2oC. Dois anos e meio depois, a emissão de dióxido de carbono (CO2) e a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera continuam altas.

“E mesmo assim, a busca contínua por novas reservas de combustível fóssil avança, enquanto o Acordo de Paris claramente reforça a importância de mantê-las no subsolo. É por isso que precisamos conversar juntos – indústria, investidores, pesquisadores e consumidores – sobre a transição e a busca de alternativas. A civilização requer energia, mas o uso dela não deve destruir a civilização!”.

Francisco é um dos papas que mais tem lutado pela abertura e modernização da Igreja Católica. Ativista engajado, em seus discursos, frequentemente fala sobre a conservação e a proteção do planeta e sobre a luta contra as mudanças climáticas.

*Com informações da assessoria de imprensa do Vaticano 

Leia também:
Papa Francisco adere ao carro elétrico
Vaticano ganha imagens das riquezas do planeta em alerta às mudanças climáticas
Papa Francisco cria dia de oração pelo meio ambiente
Papa nomeia mulher para a diretoria de comunicação do Vaticano

 

Foto: reprodução Facebook Vatican News

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta