Pantera negra é flagrada em registros raros (e belíssimos) no Quênia


Pantera negra é flagrada em registros raros (e belíssimos) no Quênia

Como não se deslumbrar com a beleza de uma imagem como essa? Raras de serem observadas e ainda mais, fotografadas, a lenda da pantera negra (Panthera pardus) parecia rondar somente a imaginação das pessoas.

Entretanto, recentemente, dois registros fotográficos diferentes comprovam que ela é real e pode ser avistada nas florestas do Quênia.

O primeiro desses flagrantes é a deslumbrante imagem que abre este post (e as demais fotos mais abaixo). Foram feitos pelo fotógrafo de vida selvagem Will Burrard-Lucas. Desde criança o britânico era fascinado pelas histórias da pantera negra. Para ele, não havia outro animal que fosse cercado por tanto mistério.

Seu primeiro encontro com a espécie aconteceu na Índia, em setembro do ano passado. Há vários anos, existiam rumores de que um indivíduo vivia na floresta de Kabini, na região de Karnataka. Em uma viagem ao país, Burrard-Lucas foi ao local, acompanhado por outro fotógrafo experiente que o ajudou a flagrar, mesmo de maneira distante, o leopardo negro.

O primeiro encontro de Burrard-Lucas com a pantera negra

Não satisfeito ainda, ele queria uma foto perfeita. Soube então de notícias que panteras negras viviam na área de Laikipia, no Quênia. O britânico fez as malas e levou com eles diversas armadilhas fotográficas de última geração. Depois de vários dias e mudança de lugar e posição das câmeras, o resultado são os registros maravilhosos que aparecem nesta reportagem (assista ao vídeo sobre o projeto ao final do texto).


Coincidentemente, biólogos do San Diego Zoo também publicaram há pouco tempo, um artigo científico em que revelam o flagrante da pantera negra no mesmo parque queniano de Laikipia.

Divulgado na publicação African Journal of Ecology, o estudo mostra o registro, por diversas ocasiões, em 2018, de uma pantera negra fêmea.

“Parece que os leopardos negros têm vivido todos esses anos no Quênia, mas nos faltavam imagens de alta qualidade como prova”, diz Nick Pilvolt, cientista envolvido na pesquisa.

Registros feitos pela equipe do San Diego Zoo

Quem é a pantera negra?

O animal chamado de pantera negra é, na verdade, um leopardo negro. Sua cor preta se deve à uma variação genética, que o faz possuir mais melanina, o que dá à pelagem uma tonalidade escura.

Os leopardos são espécies encontradas em regiões da África e da Ásia. Na América, temos a onça-pintada (Panthera onca), também chamada de jaguar, o maior felino do continente, e que também pode sofrer com a variação da cor.

Mas qual é a diferença entre um leopardo e uma onça? Quem nos explica é o biólogo e fotógrafo de natureza, Augusto Gomes, colaborador do Conexão Planeta. “Eles ocupam um nicho ecológico parecido. São do mesmo gênero, compartilham grande parte das características anatômicas, morfológicas e comportamentais. Ambos abatem grandes herbívoros e são predadores de topo de cadeia”.

Segundo Augusto, são espécies distintas, com histórias evolutivas e biogeográficas diferentes. “Onças são maiores que leopardos, mais “troncudas”, e têm pequenas manchas dentro das rosetas”.

O biólogo afirma que no caso das onças-pintadas, o melanismo é mais comum.

Infelizmente, as duas espécies estão ameaçadas de extinção. A caça, a perda de seus habitats e a fragmentação dos mesmos são os principais responsáveis pelo seu desaparecimento.

Mas pelo menos, imagens maravilhosas como essas, nos fazem ter esperança de que suas populações possam se recuperar um dia.

Leia também:
Filhotes de onça-pintada nascem em Refúgio Biológico de Foz do Iguaçu
Onça-pintada, o maior felino das Américas, ganha dia de celebração internacional
A primeira onça-pintada a gente nunca esquece
Parque Nacional do Iguaçu celebra nascimento de três filhotinhos de onça-pintada

Fotos: Will Burrard-Lucas e divulgação San Diego Zoo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta