Outubro bate um novo recorde de calor para o planeta

Outubro bate um novo recorde de calor para o planeta

Pior incêndio florestal da história da Califórnia, furacões devastadores na costa leste americana, chuvas torrenciais na Espanha, tempestades de areia e raios em Abu Dhabi. Com todos estes chamados extremos climáticos ocorrendo em diferentes partes do mundo, não é de se admirar quando a Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) anuncia um novo recorde em época de aquecimento global: o mês passado foi o segundo outubro mais quente dos últimos 139 anos (1880-2018).

Os cientistas do NOAA ressaltam ainda que os dez outubros com as mais altas temperaturas registradas aconteceram a partir de 2003. A temperatura global do planeta em outubro de 2018 foi 0,16Co acima do que a média para este período.

A Europa teve, de janeiro até outubro, o período mais quente observado desde 1910. Outros países e regiões que apresentaram temperaturas atípicas para esta época do ano foram partes dos Oceanos Atlântico e Índico, Alaska, Mares de Bering e Barents, Rússia, Austrália e África Central.

Dados do NOAA revelam também que a extensão da cobertura de gelo nos polos terrestres, em outubro, foi a menor do que a média das últimas três décadas (1981-2010). No Ártico, era 27,4% mais baixa e na Antártica, 2,4%.

Infelizmente, outubro não foi em nada diferente do que os meses anteriores. Setembro também bateu um recorde, sendo o quarto mais quente do último século. Na verdade, os cinco setembros com os termômetros registrando temperaturas mais altas, tanto nos oceanos como na superfície terrestre -, ocorreram em 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018.


*Com informações e foto do National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA)

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta