Ouriços: fofos, mas quase extintos no Reino Unido

Ouriços: fofos, mas quase extintos no Reino Unido

Um dos animais selvagens mais adorados pelos britânicos pode simplesmente deixar de existir no Reino Unido. Observado em abundância no passado, o adorável ouriçohedgehog, em inglês – pode ser visto raramente hoje em jardins e parques.

Protegido por lei na Inglaterra, Escócia e Wales, desde 1981, pelo Wildlife and Countryside Act, o declínio da população de ouriços é assustador. Estima-se que eram cerca de 30 milhões na década de 50 e hoje, sejam menos do que um milhão. O surpreendente é que estudos realizados pela British Hedgehog Preservation Society e o People’s Trust for Endangered Species indicam que a redução na população é maior no interior (50%) do que nos centros urbanos (30%).

O Erinaceus europaeus, nome científico da espécie europeia, é um mamífero carnívoro. Tem o corpo coberto por espinhos, e quando se sente ameaçado, vira uma bola, assim como nosso brasileiro tatu-bola. O ouriço alimenta-se de animais menores, como insetos, vermes, centopeias, caracóis, sapos, ratos e lesmas. Por isso mesmo, o hedgehog é tão querido nos quintais britânicos: é um ótimo exterminador de pragas.

Seu nome em inglês foi dado por causa de seus hábitos: hedge significa cerca e hog porco. O ouriço europeu sempre vive nas proximidades de casas, indo e vindo através de cercas e portões.

Mas a vida moderna, com a construção de estradas, a expansão dos centros urbanos e principalmente, o uso excessivo de agrotóxicos no campo, está levando os ouriços à extinção. Diferentemente das raposas, que conseguiram se adaptar e sobreviver à vida nas grandes cidades, o pequeno mamífero cheio de espinhos está perdendo a batalha.

Uma pesquisa feita pela publicação Gardeners’ World da BBC revelou que 51% dos entrevistados afirmaram não ter visto nenhum ouriço em seus jardins no ano passado, contra 48% em 2015. Apenas uma de cada 10 pessoas disseram ter encontrado o animal regularmente.

Especialistas apontam o uso de pesticidas nas lavouras e a fragmentação de habitat como sendo os principais responsáveis pelo desaparecimento dos ouriços europeus. De hábitos noturnos, fêmeas percorrem aproximadamente 1 km toda noite em busca de alimentos e os machos algo em torno de 2 km. Ao tentar cruzar estradas e ruas, muitas vezes são atropelados. Outro inimigo natural do hedgehog é o texugo, que ao contrário de sua presa, vem se multiplicando na Inglaterra.

Mas os britânicos estão se unindo para salvar os ouriços europeus. Diversas entidades promovem campanhas e divulgam informação para a população. Na semana que vem, por exemplo, será realizada a Hedgehog Awareness Week 2017, durante a qual especialistas farão alertas sobre como atrair e cuidar destes animais.

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta