Oslo dá subsídio para população de US$1.200 para compra de bicicletas elétricas

Oslo dá subsídio para população de US$1.200 para compra de bicicletas elétricas

Vale tudo para acabar com a poluição do ar. E em países ricos, como a Noruega, a arma é oferecer dinheiro para a população deixar o carro em casa e optar por um meio de transporte mais limpo. É o caso do governo de Oslo, que decidiu disponibilizar para os moradores da capital um subsídio de 1.200 dólares para que eles possam comprar bicicletas elétricas.

O dinheiro só pode ser usado, entretanto, na compra de e-bikes cargo, aquelas feitas para transportar pessoas (geralmente crianças ou idosos) ou objetos, mercadorias. A intenção é que a população deixe de usar a desculpa de pegar o carro para fazer compras no supermercado, por exemplo.

Apesar de parecer muito, o valor oferecido não é o suficiente para o pagamento total de uma bicicleta elétrica deste tipo na Noruega, mas já é um bela ajuda. Uma e-bike cargo nova custa entre 2.500 e 6.400 dólares no país escandinavo, ou seja, o subsídio trará um redução de 25% a 50%.

A iniciativa foi anunciada no começo de fevereiro e faz parte de um grande esforço da prefeitura de Oslo para melhorar a qualidade do ar nas ruas da capital. No ano passado, o governo da Noruega anunciou o investimento de 1 bilhão de dólares para melhorar a infraestrutura para os ciclistas. Entre as medidas divulgadas estava a construção das chamadas bike highways nas nove maiores cidades norueguesas, dando assim mais segurança aos usuários e permitindo que eles possam pedalar mais rapidamente.

O Fundo do Clima e Energia da capital norueguesa também tem um programa de subsídio especial de compra de bicicletas elétricas cargo para empresas. O intuito é estimular que elas sejam usadas para serviços de delivery.

Em janeiro deste ano, Oslo proibiu temporariamente a circulação de carros a diesel no centro por causa da poluição. A prefeitura tem um projeto para que a área central se torne uma zona livre de veículos a partir de 2019, como mostramos aqui, neste outro post de 2015. Cerca de 90 mil pessoas trabalham nesta região, onde estão localizados também grandes shoppings.

A meta do governo é reduzir em 50% as emissões de gases de efeito estufa até 2020, comparado aos níveis de emissão de 1990. E em 2030, tornar-se um país carbono neutro. Vamos torcer por aqui!

Leia também:
França terá estradas cobertas com painéis solares
Semáforos inteligentes irão priorizar bicicletas e transporte público nas ruas de Copenhague
Noruega anuncia construção de ciclovias ao redor das maiores cidades do país
Ciclovia gigante na Alemanha pode tirar 50 mil carros das ruas
Estocolmo pode financiar uso de bicicleta aplicando multa em carro

Foto: divulgação Oslo Climate and Energy Fund

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta