Olhar feminino resgata beleza e força do parto humanizado

As sessões com a fotógrafa Luciana Zenti são únicas. Ela registra com sua câmera, momentos que, na realidade, não precisariam ser impressos no papel ou na imagem digital, porque estarão guardados para sempre na memória daqueles ali presentes. Mas por serem, exatamente tão especiais e emocionantes, valem, sem dúvida nenhuma, serem compartilhados e vistos pelo maior número de pessoas.

Luciana fotografa com muita sensibilidade e poesia um dos momentos mais íntimos e vulneráveis da vida de mulheres que decidem abraçar a maternidade: a hora do parto – o antes, durante e os instantes logo após o nascimento de um filho.

A jornalista e fotógrafa curitibana se especializou numa área ainda nova e pouco conhecida no Brasil, mas que já é bastante reconhecida e valorizada em outros países: a fotografia de parto humanizado. E apesar de estar registrando estes momentos há relativamente pouco tempo, Luciana acaba de receber um prêmio internacional por uma de suas imagens. Ela ganhou a Medalha de Ouro na categoria Trabalho de Parto e uma distinção pela qualidade da foto no Elevate Image Competition, realizado nos Estados Unidos.

Para fazer a imagem premiada, esta acima, Luciana chegou de madrugada para acompanhar durante 16 horas o trabalho de parto domiciliar de Luana Kamarowski, que aconteceu em setembro do ano passado. A foto vencedora mostra a cumplicidade do casal, no corredor do apartamento, ao enfrentar junto, as contrações. “Eles são um casal superjovem e já tinham um filhinho mais novo, de 5 anos, que acompanhou todo o processo do trabalho de parto e do nascimento do irmãozinho”, conta. “Foi uma experiência que me exigiu muito, bastante cansativa, mas fiquei muito próxima deles e me inspirou a fazer um registro que não fosse só um registro, mas mostrasse para eles que coisa linda eles estavam vivendo”.

A fotógrafa transborda emoção e paixão ao falar sobre o que faz. Para ela, o flagrante acima vai muito além de um simples registro. “Tenho certeza que esta experiência os fortaleceu como casal e o que desejo é que, cada vez que eles olhem aquela foto, tenham certeza de que casal maravilhoso eles são e que momento incrível tiveram a oportunidade de passar. Acho que (o parto humanizado) é um instrumento de empoderamento também!”.

A beleza do parir

Luciana fala com propriedade sobre seu trabalho. Depois de navegar pelas áreas de educação e sustentabilidade como jornalista, em 2014, decidiu se reinventar e apostar na fotografia de parto humanizado. “Eu tenho a terrível mania de sempre procurar alguma coisa que faça sentido, tenha propósito”, brinca.

Apesar de ter tido muito contato com fotografia durante sua carreira, nunca antes havia passado pela cabeça da curitibana se dedicar profissionalmente à ela. Foi somente depois do nascimento dos dois filhos – Alice, hoje em 14 anos, e Gabriel, de 7 -, que Luciana pensou na possibilidade. “Eles nasceram de parto normal e foi muito marcante para mim. Sempre tive o desejo que outras mulheres pudessem ter a experiência que eu tive, e como eu trabalhava com informação, queria disseminar esta informação de alguma forma”, revela.

Nos últimos anos, a jornalista fez workshops e cursos específicos sobre fotografia de parto humanizado. Também achou importante aprender como era feito o trabalho de doula, a profissional que auxilia a mulher na hora do parto, o qual hoje, possui um certificado (não atua, mas acha fundamental ter este conhecimento nas sessões que faz).

Para Luciana, as pessoas ainda associam o parto com algo feio, pesado, sofrido. “Tenho cuidado para que minhas fotos sejam muito sutis e poéticas, quero passar para as pessoas que parto é bonito, sublime e encantador”, afima. “Ele (o parto) dói, mas há muita emoção envolvida. A conexão que propicia ao casal é única e será levada para a vida toda”.

A fotógrafa é uma defensora dos partos humanizados, aqueles em que a decisão da mulher é respeitada e suas possibilidades para o momento de dar à luz são debatidas entre ela e o obstetra. Nada é imposto. Luciana advoga ainda em favor do parto domiciliar planejado. De acordo com ela, esta escolha pode ser muito segura, desde que haja uma equipe de saúde qualificada acompanhando o nascimento e a gravidez não apresente riscos.

Ao retratar a beleza do parir, a profissional acredita que mais e mais mulheres vão optar por ter seus filhos de maneira natural. Atualmente, a cada dez partos realizados em maternidades particulares no Brasil, 8,5 são cesáreas. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que este número fosse de 1,5 parto. A estatística mostra a assustadora epidemia de cesáreas que existe no país há décadas, por vezes deflagrada por comodismo dos médicos, outras por medo e desinformação das mulheres. “Quando não indicada, a cesárea é uma violência contra a mulher e a criança”.

Partos humanizados no SUS

Intrigada sobre a realidade dos partos humanizados nos hospitais públicos brasileiros, Luciana acabou descobrindo em sua cidade natal um hospital considerado referência para o Ministério da Saúde. Foi então, com a Maternidade Bairro Novo, em Curitiba, que a fotógrafa iniciou o projeto Parto Delas.

Ao acompanhar o parto de mulheres, que têm seus filhos na rede pública de saúde – de maneira digna, tranquila e acima de tudo, respeitando o processo natural e por muitas vezes, longo e difícil, do dar à luz -, Luciana fez um retrato lindo do ato sublime que é parir.

As imagens, em preto e branco, feitas na Maternidade Bairro Novo, foram expostas na capital paranaense no ano passado e a partir de 22 de março, poderão ser vistas novamente no Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS).

“Eu tenho um compromisso social muito grande com esta fotografia de parto humanizado. Quero realmente fazer uma contribuição para mudar a realidade do parto no Brasil”, diz a fotógrafa. “Você está dando o poder para a mulher de decidir sobre a própria vida e do filho que irá nascer. É um resgate da força e do poder da mulher”.

Abaixo estão algumas imagens feitas por Luciana para o projeto Parto Delas e também, lógico, a foto dela, a primeira a seguir:

Olhar feminino resgata beleza e força do parto humanizado

 

EXPOSIÇÃO PARTO DELAS
Data:
22/3 até 14/5
Horário: terça a sexta-feira, das 9h às 12h30 e 13h às 17h, sábado, domingo e feriado, das 10h às 16h.
Local: Museu da Imagem e do Som do Paraná
Endereço: Rua Barão do Rio Branco, 395 – Curitiba-PR
Entrada gratuita
www.mis.pr.gov.br

Fotos: divulgação Luciana Zenti

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Um comentário em “Olhar feminino resgata beleza e força do parto humanizado

Deixe uma resposta