O sabor sem igual do tomate plantado em casa

sabor-sem-igual-tomate-plantado-em-casa-800

Cultivar tomate pode ser desafiador, quase uma condecoração ao horticultor porque nem tudo estará sob controle, por mais que se tenha prática e conhecimento de causa. Nativo da América, o tomateiro é uma planta perene, mas em climas temperados, ela cresce, todavia pode durar menos tempo, pois às vezes, morre por causa do frio. Portanto, quanto mais quente e seco o clima for na sua região, maiores as chances de que o seu tomateiro dure por mais de um ano.

Exigente, o pé de tomate precisa de três meses de clima quente, com muito sol. O tomateiro pode ser plantado por sementes ou mudas. Se você tiver bons frutos de um tomate orgânico, basta colocar as sementes  diretamente no solo, tomando o cuidado para não enterrá-las demais. A profundidade não deve ser maior do que duas vezes o tamanho da semente. Se quiser guardar para outro momento, podem ser  armazenadas com o próprio suco em um vidro por oito dias e depois de fermentadas, elas devem ser lavadas e secadas em peneiras ou tecidos, ao abrigo da luz.

Em geral, tomates adquiridos no comércio  convencional, como no supermercado, podem ter sido refrigerados, colhidos verdes ou tratados com gás para amadurecer, e isso pode diminuir as chances da germinação da semente.

O tomate cereja (aquele pequenininho e mais doce) é o mais resistente para o cultivo. Quando bem adubado, dá tomates do tamanho de uma bola de golfe, mas precisa de muita luz e leva mais ou menos três meses para florir na temporada de maior sol. Depois de florido, em dois meses, os tomates começam a avermelhar. Vale a pena esperar que eles amadureçam antes de colher, pois o sabor é incomparável.

Já o tomate italiano é mais adequado para produção de molhos e leva um pouco mais de tempo para frutificar, de quatro a cinco meses. Além disso, ele dá um pouco mais de trabalho, pois precisa ser monitorado para evitar com que seus frutos encostem no chão.

No Brasil, pode-se plantar tomate em qualquer época do ano, mas durante o inverno, o uso de protetores (estufas, garrafas, caixas plásticas, telas) é importante. Os tomates plantados no final do inverno podem demorar um pouco mais para frutificar no verão, se este for o período de maior concentração de chuvas, onde você mora, como na região Sudeste e Centro Oeste. Por isto, diversificar os lugares de plantio é uma boa ideia: ter mudas em vasos protegidos e mudas no solo, a pleno sol, e mudas semissombreadas entre cultivos, como  alface e salsa e manjericão e tagetes.

Se você mora em casa e tem quintal ou uma horta, pode plantar as sementes do tomate direto no solo. Mas não desanime! Você vive num apartamento? Também dá para cultivar seu próprio tomateiro. Use vasos e bandejas de plantio (sementeiras). Eu já plantei na sacada de casa e colhi muitos tomatinhos! Mas não esqueça, esta é uma planta que necessita de sol direto, no mínimo quatro horas por dia, ou seja, sua sacada ou varanda precisam ser ensolaradas.

Além de luz, o tomateiro exige muita água. Deve-se regá-lo praticamente todo dia, mas evitando molhar as folhas e frutos. O solo deve ter boa drenagem, cobertura com cascalho ou palha para manter a umidade e os nutrientes. Para saber se o solo é bem drenado, regue e deixe a água fluir e cheque se poças não se formarão na terra. Este é o sinal de que a água foi bem absorvida e a planta terá a umidade necessária.

Depois de aproximadamente cinco meses, o tomateiro começará a envergar com seu próprio peso. Você deverá escorá-lo com tutores (varas de madeira). Isso é bom também para aumentar a penetrarão de luz nos tomates. Quando deixados esparramados na terra, os tomates parecem sofrer menos desgaste com o clima, e com as podas, além de emitirem  raízes adventícias nos ramos que ficam em contato com o chão, melhoram a absorção dos nutrientes em toda a planta. Tomateiros sem tutores se esparramam por todo o terreno, muito comum de ver em terrenos baldios, parecem ser as plantas em estado natural e mais resistentes, mas isto dificulta o cultivo de outras hortaliças e o controle de ervas invasoras.

Agora vem a parte mais difícil: tomates são muito sensíveis a fungos. Por esta razão, este é um dos vegetais que mais recebem agrotóxicos na lavoura. Mas na sua casa, você estará cultivando um tomate livre de pesticidas: orgânico e muito saudável. A prevenção de  pragas pode ser feita com adubação correta e a aspersão de florais de Bach – Recue para choque e momentos de crise (temperaturas  muito baixas) e o floral Olive para momentos fortalecedores (30 gotas num litro de água mineral). O extrato de Neem (uma árvore medicinal) possui propriedades antifúngicas e repelentes para prevenir lagartas e fungos.

Outra dica é cultivar plantas companheiras ao lado do tomateiro, ótimas para afugentar visitantes indesejados: hortelã, manjericão, alho, rúcula alfavaca e mastruço são algumas das que recomendo.

A colheita do tomate pode ser feita tão logo apareçam os primeiros frutos maduros. Pode-se até colhê-los verdes, muito embora prejudique o sabor do fruto e a maturidade das sementes para a nova germinação.

Na natureza, é preciso respeitar o tempo de cada um. Certamente, o tomateiro tem o seu próprio. Para que pressa, certo? Afinal, não há nada mais prazeroso do que colher os próprios tomates e depois saboreá-los numa salada deliciosa, feita em casa. Melhor ainda, quando tudo foi feito em família – do cultivo ao preparo da receita. Que tal tentar?

Foto: Duncan Drennan/Creative Commons/Flickr

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

Liliana Allodi

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

Deixe uma resposta