O que o brasileiro pensa sobre o meio ambiente?

Desde 1992, em sua trajetória pelo Instituto de Estudos da Religião, o Ministério do Meio Ambiente e, mais recentemente, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST, onde é pesquisadora titular), Samyra Crespo coordenou diversas pesquisas com o público, para identificar seu conhecimento e interesse pela agenda ambiental.

A primeira foi na Eco-92, a primeira Conferência sobre Meio Ambiente realizada pela ONU no Brasil, numa época em que havia muito desconhecimento sobre o assunto. “A questão ambiental não figurava entre os dez principais problemas do país”, conta.

Hoje, o cenário é outro. O brasileiro tem mais informação disponível e mais interesse, mas ainda falta muito para agir. Em 2006, com a visita de Al Gore ao país, o aquecimento global começou a se popularizar também. E sua ligação com a natureza passou a ser disseminada, não exatamente compreendida e aceita.

E, diante do que nos reserva o próximo governo, é cada vez mais urgente que o público se envolva com as questões ambientais.

Pois bem… e é exatamente a pergunta que está no título deste post que Samyra e suas equipes fizeram, em cinco grandes pesquisas, nos últimos 26 anos.  “Essa compreensão mudou ao longo do tempo. Vinte anos após a primeira pesquisa (ou seja, em 2012, quando aconteceu a Rio+20, Conferência do Meio Ambiente da ONU, novamente no Rio de Janeiro) a percepção dos brasileiros sobre o meio ambiente e os problemas ambientais já apareceu em sexto lugar”, salienta Samyra, que também já foi presidente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Entre as cinco principais preocupações, naquela época, estavam a saúde, a violência, o desemprego, a educação e a qualidade dos políticos. Nada mau que o meio ambiente ocupasse tal posição.

Essas cinco pesquisas traçaram o perfil do brasileiro em relação ao meio ambiente, sua consciência e interesse. E o site O Eco a convidou para contar sobre o resultado para sua série Pense Verde, em vídeo, que reproduzimos abaixo. Nele, a doutora em História Social da Educação explica a evolução da percepção do público sobre o tema e o que precisamos fazer para avançar e agir, efetivamente. Agora mais do que nunca.

Vamos precisar saber mais para agir contra o que se anuncia no governo que assume o país em 1 de janeiro de 2019, especialmente no Ministério do Meio Ambiente. Ontem, o presidente eleito nomeou para o comando dessa pasta, (mais) um homem desqualificado, que é réu na justiça paulista justamente por não respeitar leis e a natureza durante o tempo em que foi secretário estadual do meio ambiente de São Paulo. Vale destacar que Ricardo Salles se diz, pra quem quiser ouvir, comprometido com os interesses dos ruralistas.

Foto Squeeze/Pixabay 

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta