O que aprendi com Adi Leite para seguir em minha jornada com a Amazônia


Ao longo da minha caminhada com o Reconexão Amazônia, tenho recebido apoio de várias pessoas e decidi falar por aqui o que aprendo com elas, na esperança de que estes aprendizados também te inspirem em sua jornada.

Começo pelo Adi Leite. Não lembro como, mas primeiro nos tornamos amigos pelo mundo virtual, provavelmente por conta do estardalhaço que eu fiz no meu crowdfunding para arrecadar fundos para estudar na Schumacher College (a Mônica Nunes, editora do Conexão Planeta, me deu a maior força e escreveu sobre essa história aqui).

Quando voltei para o Brasil, há pouco mais de um ano, ele apareceu para me ajudar com seu talento como coach profissional. Adi me apareceu com algumas direções e provocações valiosas. Compartilho algumas com você:

  1. Respire – Uma das coisas que o Adi mais me fala é “Karina, respira!”. Eu percebi que não respirava direito e ainda estou aprendendo a fazer isso. Nas primeiras vezes que ele me disse isso, me dei conta de que a ansiedade em ver meu projeto concretizado fez eu me colocar em segundo plano em minha vida.Até que percebi, também, que a Amazônia não poderia ser mais importante do que eu. E daí, nasceu o post Para lutar por uma causa, precisamos primeiro cuidar de nós mesmos, que você gostou!
  1. Pense positivo – Quando trabalhamos por uma causa que nos inspira, apesar de todos os desafios que ela impõe, devemos sempre lembrar do poder de nossos pensamentos e emoções. “A mente é a substância do mundo. Tudo está na mente, não pense no que você não quer, porque isso pode virar verdade. Pense no que você quer! Gaste a sua energia com isso!”, afirma Adi.Pensar positivo e acreditar que vamos sim sair do lugar é fundamental para que a gente siga caminhando. Como cantava o Raul: “Queira! Basta ser sincero e desejar profundo. Você será capaz de sacudir o mundo”.  Pensamento positivo é a alma do negócio.
  1. Dê seu melhor e confie o resultado ao universo – Uma das coisas mais libertadoras que ele me disse foi “você não tem que fazer ninguém amar a Amazônia. Essa é uma decisão pessoal e intransferível”. O Reconexão Amazônia existe para, entre outras coisas, despertar o afeto pela floresta. Este trabalho me dá alegria e prazer, mas não mando no coração de ninguém.Lanço a semente e, onde ela tiver terra fértil para germinar, germinará.Onde a terra não estiver pronta, ok, não estará.Ter essa consciência tirou toneladas de peso das minhas costas. Os resultados do meu trabalho estão nas mãos do universo e das pessoas, não nas minhas.
  1. Planejamento poupa nossas energias – Adi também me ensinou a importância do planejamento. Planejar poupa nossas energias. Testar um caminho não significa que ele vai dar certo, mas testar mostra que estamos caminhando, progredindo e aprendendo com nossos erros e acertos. E, se algo não nos agradar, podemos tentar por outro caminho numa segunda oportunidade, até ficarmos satisfeitos.Nessa lógica, ele tem me lembrado que a jornada é tudo o que existe. Não há ponto final. Aliás, se houvesse, isso tudo seria muito sem graça.

Guru, presente da vida

Adi Leite já me viu gargalhando e chorando. Já me acolheu e me chacoalhou com suas afirmações e frases poderosas. Com ele, já meditei e respirei para voltar ao meu centro. Em sua companhia, me tornei uma pessoa melhor e, consequentemente, uma profissional melhor.

Costumo brincar com o Adi e dizer que ele é muito mais do que um coach profissional – é um guru, um cara profundamente espiritual que me ajudou a ter mais paz dentro de mim para que eu pudesse seguir adiante com esse trabalho de forma mais leve e prazerosa. Ele é um dos anjos que apareceram em minha vida e na do Reconexão Amazônia. Um dos presentes que ganhei da vida para poder fazer o que faço.

Aprendi muito mais com ele do que o que escrevi aqui, mas espero que esses quatro pontos realmente te inspirem de alguma maneira. Se você quiser saber mais sobre o Adi – e sua sabedoria e perspicácia -, pode visitar o site dele.

Adi Leite, obrigada por tudo!

Foto: Alex Wigan

Conectada com a força da floresta – guiada, protegida e inspirada por ela. Jornalista ambiental, educadora e fundadora do Reconexão Amazônia. Há mais de uma década tem se dedicado a proteger a Amazônia, onde morou por cinco anos. Mestre em Ciências Holísticas pela Schumacher College, Inglaterra, é formada em Educação para a Sustentabilidade pelo Gaia Education e Vivências com a Natureza pelo Instituto Romã.

Karina Miotto

Conectada com a força da floresta – guiada, protegida e inspirada por ela. Jornalista ambiental, educadora e fundadora do Reconexão Amazônia. Há mais de uma década tem se dedicado a proteger a Amazônia, onde morou por cinco anos. Mestre em Ciências Holísticas pela Schumacher College, Inglaterra, é formada em Educação para a Sustentabilidade pelo Gaia Education e Vivências com a Natureza pelo Instituto Romã.

Deixe uma resposta