O poluído rio Tietê faz aniversário e ganha semana de ações para conscientizar o público

O maior rio de São Pauloque corta o estado por 1.100 km, desde a nascente, em Salesópolis, à foz do rio Paraná, em Itapura – faz aniversário no próximo dia 22. Não há o que celebrar, como sabemos, mas a Fundação SOS Mata Atlântica quer aproveitar a efeméride para lembrar os paulistas de sua condição e convida-los para se engajar por sua despoluição. Para isso, organizou uma série de ações que começaram ontem, 16/9, e vão até o próximo sábado.

Jacaré Teimoso e Privadão são os nomes das duas instalações artísticas (foto acima) que ocupam, desde ontem, trecho da calçada da Avenida Paulista, em frente ao Conjunto Nacional, e ficarão ali até 22/9. A ONG aproveitou que essa avenida fecha aos domingos para os carros e é “invadida” pelas pessoas, para dar o seu recado.

As duas obras gigantescas representam o jacaré que surgiu às margens do rio na década de 1990 – que provocou o início da mobilização por sua despoluição – e a ausência de planejamento, gestão e governança de suas águas, principalmente a falta de saneamento.

“Imagine o tamanho da comoção da sociedade quando um animal do porte de um jacaré apareceu no rio Tietê. Precisamos que a população continue mobilizada pela despoluição do rio mais importante do nosso estado e que nossos governantes assumam o compromisso de dar continuidade aos investimentos no projeto Tietê“, ressalta Malu Ribeiro, especialista em água da Fundação, que completa: “Hoje, apenas 40% do esgoto no Brasil é tratado. Precisamos mudar este cenário urgentemente“.

Para complementar a ação na Avenida Paulista, a SOS Mata Atlântica apresenta, ao público, propostas de metas e compromissos para os candidatos ao governo do estado e à presidência do país, listadas em um documento chamado Desenvolvimento para Sempre. A intenção é não só chamar a atenção da sociedade, mas também dos políticos, para a importância da água, que deve ser prioridade na agenda pública, como também deve contar com políticas públicas com foco no saneamento ambiental.

Hoje, como parte integrante dessa campanha, Malu fará palestra em encontro sobre o rio Pinheiros – um dos mais importantes e o mais contaminado da bacia do rio Tietê -, que reunirá especialistas e empresas privadas de limpeza de água com o objetivo de definir soluções viáveis para sua despoluição. O resultado da conversa será compilado em um dossiê que deverá ser entregue ao governo do estado e à prefeitura.

No sábado, para celebrar o Dia do Tietê, a ONG realizará encontro com os grupos do projeto Observando os Rios do estado de São Paulo, no Parque Ecológico Tietê. Esta iniciativa envolve moradores de diversas regiões – só na capital são mais de 1.700 voluntários – que fazem a análise da qualidade da água do rio e cobram ações dos poderes públicos e da sociedade para sua melhoria e também para que a quantidade não seja afetada.

Todos os participantes são capacitados pela SOS Mata Atlântica, que distribui, para os grupos, kits de monitoramento desenvolvidos especialmente para o projeto. O monitoramento é feito de forma sistemática, com avaliações mensais. Durante o encontro, a ONG também apresentará dados da poluição do rio no último ano, com base no levantamento de 103 grupos. Os voluntários também estarão presentes para apresentar “seu olhar e desejos para o futuro do rio Tietê”.

Os organizadores esperam a presença de mais de 100 pessoas já engajadas nessa causa. “Também convidaremos representantes de comitês de bacias, que são os representantes da sociedade com o poder de decisão sobre o futuro dos rios”, explica Romilda Roncatti, coordenadora do projeto Observando os Rios. “Será um encontro marcante para que a voz desses voluntários seja ouvida por quem define a gestão dos nossos rios. Queremos que as pessoas entendam a história e a importância do rio Tietê, e quanto mais gente se envolver, melhor“.

Foto (destaque) de Marcia Hirota, diretora executiva da Fundação SOS Mata Atlântica 

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta