O voo da garça

voo da garça

Voo gracioso, formas equilibradas e movimentos harmônicos fazem das garças-brancas-grandes (Ardea alba) uma das aves mais elegantes que conheço, mesmo sendo elas muito comuns em todo o país.

Procuro, sempre que posso fotografar estas belas aves na natureza. Já tive muitas oportunidades; em grandes aglomerações, ninhais no Pantanal, revoadas com dezenas delas, pousadas sobre de lixo em rios e baias, em bandos mistos com outas aves aquáticas e em centenas de outros momentos.

Porém, na natureza, as garças percebem a presença humana e desviam sua trajetória, meio apavoradas. Raras ocasiões é possível vê-las bem de baixo, como nesta foto. Quando conseguimos sempre estão distantes. Só com lentes potentes para ter uma foto razoável.

A solução é ir em áreas onde estão acostumadas com a presença do homem e não se importam com você, nem que esteja com equipamento fotográfico!

O Passeio Público de Curitiba tem esta característica. Lá, todos os anos, as garças fazem seus ninhos. Foi lá que tirei esta foto. Primeiramente fiquei algum tempo observando o comportamento delas, a trajetória que faziam com os galhos para construção dos ninhos.

Escolhi um local onde havia uma movimentação maior. Me posicionei de forma a ter um contraluz interessante para enfatizar as penas transmitindo uma sensação de maior leveza.

O céu com poucas nuvens, em um azul intenso, ajudou a dar profundidade na foto.

Fiz a imagem com uma Nikom D800 e uma lente relativamente curta para fotografia de fauna, Nikon 24-120mm f4 em 120mm ISO 400 velocidade 1/1000 e abertura f8.

Foto: Zig Koch

Fotógrafo profissional com ênfase em imagens de natureza, turismo e viagens. Autor de 14 livros e 25 exposições individuais, sendo quatro internacionais. Percorreu todos os biomas brasileiros, viajou para vários países de outros continentes, fotografando para revistas, ONGs e empresas.

Zig Koch

Fotógrafo profissional com ênfase em imagens de natureza, turismo e viagens. Autor de 14 livros e 25 exposições individuais, sendo quatro internacionais. Percorreu todos os biomas brasileiros, viajou para vários países de outros continentes, fotografando para revistas, ONGs e empresas.

Deixe uma resposta