O mundo extraordinário do fundo do mar pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

O mundo desconhecido e extraordinário do fundo do mar é revelado pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Cerca de 71% da superfície da Terra é coberta por água. Do total desse volume, mais de 95% está nos oceanos. Um mundo subterrâneo, vasto e rico, pouquíssimo conhecido pelo ser humano. Nos mares de nosso planeta, vivem criaturas belíssimas e complexas, que vivem em ecossistemas pouquíssimos conhecidos ainda pela ciência e com hábitos ainda sendo estudado por biólogos.

Felizmente, fotógrafos de natureza têm o privilégio de registrar a exuberância da vida marinha e compartilhar um pouco de suas experiências debaixo d’água.

É o caso dos concorrentes do Ocean Art Underwater Photo Competition, concurso internacional, que acaba de divulgar os vencedores de 2019. Esses anos a competição recebeu imagens de fotógrafos de 78 países.

A fotografia que abre este post recebeu o prêmio principal. Greg Lecoeur revelou como fez o registro.

“Durante uma expedição em um pequeno veleiro, exploramos a Península Antártica mergulhando abaixo da superfície. Embora as condições fossem extremas com uma temperatura de -1 ° C, documentamos a fauna marinha extraordinária em um ecossistema frágil, como nesta imagem da foca-caranguejeira“, contou. “Também vimos pinguins Gentoo e outras diversas espécies de focas. Todos esses animais marinhos são afetados pelo aquecimento global com o derretimento do gelo”, lembrou.

Apesar do nome, a foca-caranguejeira não comem caranguejos. Ela se alimenta praticamente apenas de krills, já que desenvolveu uma estrutura dentária em forma de peneira que o filtra, assim como fazem as baleias. Esse tipo de foca suga água contendo krill, depois fecha as mandíbulas e empurra a água entre os dentes especializados, prendendo o krill por dentro.

Demais vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Confira abaixo as imagens lindíssimas que conquistaram o 1o lugar em suas categorias, entre elas, duas novas, lançadas nesta edição do concurso:

O mundo desconhecido e extraordinário do fundo do mar é revelado pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Comportamento da vida marinha
“Carona amigável” – Austrália
Paula Vianna

O mundo desconhecido e extraordinário do fundo do mar é revelado pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Arte subaquática
“Cavalo marinho psicodélico
Francisco Sedano

O mundo desconhecido e extraordinário do fundo do mar é revelado pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Conservação
A vítima”
Shane Gross

O mundo desconhecido e extraordinário do fundo do mar é revelado pelas lentes dos vencedores do Ocean Art Underwater Photo Competition

Águas negras
“Snaketooth Swallower”
Fabien Michenet

Recifes
“Raja Ampat”
Eduardo Acevedo Fernandez

Supermacro
“Ovos de peixe-palhaço” – Indonésia
Paolo Isgro

Lesmas marinhas (Nudibranch)
“Delícias do rio Mooloolah” – Austrália
Jenny Stock

Retrato
“Gaspare” – Itália
Virginia Salzedo

Macro
“Radiografia” – Filipinas
Stephano Cerbai

Grande angular
“Um borrão de lábios-doces” – Indonésia
Nicholas More

Macro compacta
“Lemon Goby” – Indonésia
Stan Chen

Comportamento compacto
“Garoupa de boca aberta”, Egito
Ferenc Lorincz

Novos talentos
“Ônibus de cavalos-marinhos” – Austrália
Jules Casey

Leia também:
Belezas e surpresas do fundo do mar nas imagens premiadas do Underwater Photographer of the Year
As mais incríveis imagens do fundo do mar, em livro
Biodiversidade marinha aumenta em áreas protegidas

Fotos: divulgação Ocean Art Underwater Photo Competition

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta