O legado de Chico Mendes e os novos líderes dos povos da floresta

Por Danicley Aguiar, membro da campanha de Amazônia do Greenpeace

Mais do que reafirmar a importância de Chico Mendes para os povos tradicionais da Amazônia, o encontro realizado em Xapuri, no Acre, entre 15 e 17 de dezembro, serviu para marcar oficialmente a passada de bastão das antigas lideranças para uma nova geração de ativistas do campo e da floresta.

Reproduzindo a máxima repetida em clamor no encerramento do evento, a juventude militante amazônica não quer mesmo soltar a mão de ninguém. Segura firme nas mãos dos mais velhos, que trazem a experiência de mais de 30 anos de resistência, mas também dá as mãos para possibilidades inovadoras de enfrentamento em prol dos direitos dos extrativistas, indígenas e quilombolas.

Soleane Manchineri, Dione Torquato, Mônica Bufon e tantos outros jovens são os novos representantes da luta pela sobrevivência das reservas extrativistas, terras indígenas, quilombos e das populações que habitam esses espaços. Uma geração que carrega o importante desafio de se desviar das falsas soluções para as questões socioambientais e frear processos decisórios construídos sem a plena participação dessas comunidades.

Como bem disse Dione Torquato (é ele quem fala na foto que ilustra este post), secretário de juventude do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), o fato de existirem áreas protegidas na Amazônia não é garantia real de que não serão alvos do agronegócio, mineradores e madeireiros: é preciso defender esses territórios, e assegurar acesso a serviços como saúde e educação. A vida na floresta precisa continuar a ser uma opção para as gerações de hoje e do futuro.

As novas lideranças têm muito trabalho pela frente: carregam a responsabilidade de pressionar o governo brasileiro a conter o desmatamento na Amazônia, que no último ano aumentou 13,7%, e combater o aquecimento global, que já afeta esse bioma e outros ecossistemas do planeta. Sabem que será preciso brigar para que o presidente eleito Jair Bolsonaro não tire o Brasil do Acordo de Paris, o que colocaria em xeque a agenda climática.

A capacidade que Chico Mendes tinha de fazer alianças e resistir pacificamente às injustiças sociais será mais do que nunca inspiradora nestes tempos difíceis que se aproximam.

O encontro em Xapuri gerou um manifesto coletivo, a Carta de Xapuri, que reafirma o compromisso com a Amazônia e suas populações. O documento lembra que mais da metade das pessoas que ali estavam eram jovens. Que essa juventude, tão bem articulada e capaz de fazer a conexão campo-cidade, siga firme nos próximos 30 anos de luta.

Foto: Marizilda Crupe/Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Deixe uma resposta