NY vai investir US$106 milhões em telhados verdes e plantio de árvores para combater o calor   

NY vai investir US$106 milhões em telhados verdes e plantio de árvores para combater o calor   

Enquanto o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua dizendo que o aquecimento global não existe, os americanos vivem na pele os efeitos das mudanças climáticas. Os moradores das grandes cidades são os que mais sofrem, devido ao fenômeno chamado de “ilhas de calor”. Por causa da grande densidade de construções e concreto, o calor fica concentrado e não consegue se dissipar.

As altas temperaturas matam mais de 12 mil pessoas por ano no planeta e, por isso, são um dos eventos mais ameaçadores, relacionados ao clima. Os idosos são as maiores vítimas, seguidos pelas crianças.

Em Nova York, especialistas apontam que poderá haver um aumento alarmante da média da temperatura até 2050. Mas o prefeito da cidade, Bill de Blasio, não vai esperar até lá para fazer alguma coisa. Na semana passada, ele anunciou investimento de 106 milhões de dólares em um programa para instalação de telhados verdes e plantio de árvores em parques para amenizar o calor.

O programa Cool Neighborhoods NYC tem como principal objetivo ajudar as comunidades mais vulneráveis ao calor extremo, é por esta razão, que 80% do valor total será destinado ao plantio de árvores nas regiões sul do Bronx, central do Brooklyn e mais ao norte de Manhattan. A prefeitura também já determinou que 2,5 milhões de m2 de telhados públicos e particulares sejam equipados com vegetação e pintados de branco nos próximos anos. Nos demais bairros de Nova York, será feito um mutirão para o replantio de mudas.

“A mudança climática é um punhal voltado para o coração da nossa cidade e o calor extremo é a ponta da faca”, disse de Blasio, em comunicado oficial. “Esta é uma questão de equidade: verões mais quentes, exacerbados pelas mudanças climáticas, são uma ameaça que cai desproporcionalmente sobre as comunidades de cores e os idosos.”

Nos meses de julho e agosto, o pico do verão no Hemisfério Norte, a temperatura de Nova York fica na casa dos 30ºC. O problema é que a sensação térmica é muito mais alta. Em 2016, a onda de calor na cidade foi responsável pela morte de 140 pessoas.

Além de reduzir a temperatura, já que oferecem sombra e liberam vapor d’água, árvores melhoram a qualidade do ar em centros urbanos e ajudam a diminuir os estragos provocados por enchentes, ao fazer com que o solo escoe a água da chuva mais rapidamente.

No ano passado, mostramos aqui, nesta outra matéria, como um estudo da ONG The Nature Conservancy revelou que basta investir 4 dólares/ano por habitante no plantio de árvores para salvar 4 milhões de pessoas. O prefeito de Nova York, certamente, deve ter lido o relatório. Ponto para ele! Os novaiorquinos agradecem!

Leia também:
Juntos, moradores e prefeitura de NY plantam um milhão de árvores
Cidade inglesa vai plantar 3 milhões de árvores: uma para cada homem, mulher e criança que vive nela
As árvores mais indicadas para plantar na cidade de São Paulo
‘Quando nos conectamos com as árvores, caminhamos em direção aos nossos sonhos’, diz Satish Kumar
Mapa colaborativo de árvores frutíferas dissemina conhecimento e incentiva plantio

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta