Número de pinguins na Antártica cai quase 60%

Número de pinguins na Antártica cai quase 60%

Imagine que você está em uma ilha da Antártica, num frio de rachar. Você está em uma expedição em um navio há cerca de três semanas e o seu trabalho é contar uma população de pinguins.

Difícil? Não para os cientistas, ativistas e fotógrafos que estão fazendo exatamente isso. Eles estão em uma expedição épica do Greenpeace, do Polo Norte ao Polo Sul documentando as belezas dos oceanos mundo afora e as ameaças que os mares têm sofrido.

Você já estava se perguntando o porquê de estarmos falando sobre isso. É que o número da população de pinguins está caindo cada vez mais. E os pesquisadores estão na região para entender como as mudanças climáticas e outras ameaças estão impactando na vida deles.

De acordo com a equipe de pesquisadores, ao analisar os números fica evidente que a elevação da temperatura da Terra está ligada à queda. 

O número de pinguins na Antártida caiu quase 60%. Sendo que algumas colônias perderam cerca de 77% de suas populações desde a última contagem, no início dos anos 1970. 

Por que um planeta mais quente poderia diminuir o número de pinguins?

Pinguins, como muitos animais da região, comem krill, um animalzinho parecido com o camarão minúsculo. Quando há menos gelo no inverno, fica mais difícil de encontrá-los, o que torna a situação mais árdua para os pinguins criarem seus filhotes

Sim, as mudanças climáticas são uma mega ameaça para esses moradores da Antártica.  Parece irreversível, mas dá tempo de mudar esse cenário. Precisamos pressionar nossos governantes para que criem, urgentemente, novos santuários marinhos na região e no mundo todo. Assim, as legislações para as indústrias, como a da pesca e a do petróleo, se tornarão mais rígidas e, consequentemente, animais como os pinguins conseguirão recuperar suas populações. 

Com a ajuda de pessoas como você, é possível reverter o dano causado pela mudança de clima do planeta. Entre em nosso abaixo-assinado e peça pela proteção dos oceanos. Obrigado por acreditar que o mundo pode ser um lugar melhor para todos e fazer parte da equipe que protege o planeta. 

*Texto publicado originalmente em 11/02/20 no site do Greenpeace Brasil

————————————————————————-

Nota do Conexão Planeta: recentemente, a Antártica teve a temperatura mais alta já registrada em sua história. Na quinta-feira (09/02), os termômetros marcaram 20,75oC na base da Ilha Marambio. De acordo com a Organização Meteorológica Mundial, a Península Antártica é a região do planeta que vem apresentando o maior aquecimento e como consequência disso, a maioria de seus glaciares está derretendo.

Leia também:
Iceberg com mais de 300 km² – quase o tamanho de Belo Horizonte – se solta da Antártica

Degelo da Antártica atinge nível alarmante: uma aceleração de 280% nas últimas quatro décadas
Segunda maior colônia de pinguins-imperadores do mundo desaparece da Antártica
Expedição revela criaturas desconhecidas das profundezas da Antártica
Jornada das tartarugas: em curta-metragem de animação, um alerta sobre as ameaças à vida nos oceanos

Foto: Danielle Barnes on Unsplash

Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Deixe uma resposta