Nova York vai investir US$1,7 bilhão em infraestrutura para melhorar a segurança de ciclistas e pedestres

Nova York vai investir US$1,7 bilhão em infraestrutura para melhorar a segurança de ciclistas e pedestres

Os táxis amarelos sempre foram um dos símbolos de Nova York. No vai-e-vem frenético pelas movimentadíssimas ruas da cidade americana, os veículos são os “donos do pedaço”. Mas uma nova lei, recém-aprovada, pode acabar com a soberania dos carros.

Com investimento de US$ 1,7 bilhão, a ser feito nos próximos dez anos, serão construídas 250 novas ciclovias e 92 mil m2 de calçadas e espaços para pedestres.

“Esta é uma iniciativa para dar um fim à cultura do carro de uma maneira abrangente e ponderada e tenho muito orgulho de aprovar essa legislação”, comemorou Corey Johnson, autor do projeto de lei. “A maneira como nossas ruas foram planejadas não faz sentido e os novaiorquinos pagam o preço todos os dias, presos em ônibus lentos ou arriscando-se em suas bicicletas, sem ciclovias seguras… Quero revolucionar completamente como compartilhamos nosso espaço nas ruas”.

Nas últimas décadas, o Departamento de Transportes de Nova York investiu na ampliação da rede de ciclovias da cidade para atender uma crescente demanda da população por mais vias acessíveis às bicicletas.

De acordo com uma pesquisa realizada em maio de 2019, cerca de 800 mil pessoas usam suas bikes regularmente em Nova York. Apenas em um dia, estima-se que sejam realizadas 490 mil viagens de bicicleta pela cidade. Em um período de dez anos, entre 2007 e 2017, houve um aumento de 134% no número de pessoas que afirmam pedalar diariamente.

Em comparação a outras grandes cidades dos Estados Unidos, Nova York aparece como a que mais viu a prática do ciclismo crescer entre sua população. A única outra metrópole que apresentou uma tendência parecida foi a capital americana, Washington D.C, conforme você confere no gráfico abaixo.

Nova York vai investir US$1,7 bilhão em infraestrutura para melhorar a segurança de ciclistas e pedestres

Todavia, o aumento da popularidade das bikes entre os novaiorquinos veio acompanhado de uma má notícia: um salto no número de atropelamentos de ciclistas. Até agora, em 2019, foram registradas 25 mortes, o índice mais alto em 20 anos.

Por isso, a nova lei se faz tão importante. As primeiras obras de melhoria da infraestrutura devem ser entregues em 2021, como por exemplo, a proteção com câmeras ou barreiras físicas das ciclovias já existentes. Também estão incluídos no plano a restauração de pontos de ônibus e a adequação dos semáforos de trânsito para que a circulação do transporte público seja mais rápida e eficiente, além da instalação de mais sinais para pedestres.

*Com informações do jornal The Guardian

Leia também:
Amsterdam, a cidade das bicicletas
Oslo dá subsídio para população de US$1.200 para compra de bicicletas elétricas
Número de bicicletas ultrapassa o de carros em Copenhague
Vá de bike! App mapeia ciclovias e indica onde alugar bicicletas em SP
Noruega anuncia construção de estradas para bicicletas ao redor das maiores cidades do país

Foto: NYC The Official Guide

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta