Nova exposição de Sebastião Salgado mostra imagens impressionantes de Serra Pelada

Nova exposição de Sebastião Salgado mostra imagens impressionantes de Serra Pelada

Serra Pelada foi o maior garimpo a céu aberto do mundo. Atraídas pela ganância e o suposto ganho de dinheiro fácil, mais de 50 mil pessoas invadiram a mina localizada no município de Curionópolis, na Amazônia Paraense.

Enlouquecidos pela chamada “febre do ouro”, homens trabalhavam no local sob as condições mais insalubres e perigosas possíveis. Apesar de ao longo da década de 80, terem sido extraídas toneladas de ouro ali, centenas de garimpeiros perderam a vida na região.

Naquela época, o mineiro Sebastião Salgado passou um mês no local e fotografou o cotidiano daquela gente. As imagens impressionantes fazem parte da exposição Gold – Mina de Ouro Serra Pelada, que será inaugurada no próximo dia 17 de julho, no Sesc Avenida Paulista, em São Paulo.

Com curadoria e design de Lélia Wanick Salgado, esposa do fotógrafo e responsável pela editoria e organização de todo o trabalho dele, a mostra faz um registro histórico da loucura desenfreada que tomou conta de Serra Pelada.

Pelas lentes de Sebastião Salgado, é possível ter uma pequena noção da esperança e do sofrimento dos brasileiros, de todos os cantos do país, que foram até a jazida atrás do minério mais cobiçado na história da humanidade.

“O que dizer desse metal amarelo e opaco que leva homens a abandonar seus lares, vender seus pertences e cruzar um continente, a fim de arriscar suas vidas, seus corpos e sua sanidade por causa de um sonho? ”, questiona o fotógrafo.

“O ouro é um amante imprevisível. Enquanto alguns garimpeiros afortunados partiram da Serra Pelada com dinheiro, compraram fazendas e empresas e nunca se sentiram traídos, outros, que encontraram ouro e pensaram que havia mais fortunas esperando por eles, acabaram, por fim, perdendo tudo o que tinham obtido. Com o amigo do meu pai aconteceu isso. Ele achou 97 kg de ouro, reinvestiu seus ganhos em novos lotes e equipes adicionais de peões para, no fim, deixar a mina de mãos vazias”, revela Salgado.

A exposição conta com 56 fotografias, todas em preto e branco, e ainda, uma programação integrada, com cursos, oficinas, e atividades para diversos públicos sobre o pensar e o fazer fotográfico. Os temas abordam desde parâmetros históricos como técnicos, apresentando ao público visões distintas sobre a fotografia, correlacionando ainda aspectos socioambientais à Serra Pelada.

Simultaneamente à inauguração da mostra, o fotógrafo lançará o livro Sebastião Salgado – Gold, pela Editora Taschen, que reúne seu portfólio completo feito em Serra Pelada.

Exposição “Gold – Mina de Ouro Serra Pelada” de Sebastião Salgado

Data: 17 de julho a 03 de novembro de 2019
Horário: 10h às 21h30 (terça a sábado) e 10h às 18h30 (domingos e feriados)
Local: Sesc Avenida Paulista
Endereço: Avenida Paulista, 119 – São Paulo (350 metros da estação do metrô Brigadeiro)
Entrada grátis – não é necessário retirar ingressos
Agendamento de grupos: [email protected]

Leia também:
Sebastião Salgado é o primeiro brasileiro na Academia de Belas Artes francesa
Sebastião Salgado abre exposição “Amazônia” em Brasília
Ouro de tolo ou a ilusão do desenvolvimento
Mineração não é um mal necessário

Fotos: divulgação/Sebastião Salgado

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta