Nova espécie de libélula é identificada no Cerrado

libélula

*Por Roberta Sales

Uma espécie de libélula, com uma mancha marrom na ponta das asas e o corpo revestido por uma cera azulada, foi descrita por pesquisadores brasileiros em artigo publicado no periódico Zootaxa. Encontrada em 2011, às margens de uma nascente na Reserva do Clube Caça e Pesca Itororó, no município de Uberlândia, em Minas Gerais, a nova espécie foi batizada de Erythrodiplax ana.

“A descoberta é importante especialmente pelo local onde a espécie foi encontrada”, explica Rhainer Guillermo Ferreira, primeiro autor do artigo e professor adjunto do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). “Nessa reserva há uma vereda de onde parte da água do município é extraída. Achar uma espécie nova em um centro urbano, numa nascente utilizada para extração de água, demonstra que sabemos pouco da biodiversidade do país”, disse ele à Agência Fapesp.

O pesquisador explica que as libélulas são predadoras naturais de mosquitos e importantes indicadores ambientais. “Quando se encontram esses insetos na vegetação próxima a um curso d’água significa que a água é boa.”

De 2011 a 2014, os pesquisadores compararam a morfologia da libélula azul com a de 57 outras espécies do mesmo gênero. Ao final desse período, confirmaram que se tratava de uma nova espécie e iniciaram o trabalho de descrição.

A combinação de duas características diferencia a E. ana das demais espécies desse gênero. A mais importante é que o macho tem o corpo todo revestido por uma cera azulada – a fêmea não produz cera e tem cor alaranjada. “Machos de várias espécies desse gênero produzem essa cera, algumas apenas nas asas, que ficam azulzinhas”, explica Ferreira. A segunda característica da E. ana é a presença de uma mancha marrom na ponta das asas, rara nesse gênero.

Atualmente Ferreira investiga se a cera atua como protetor solar do corpo do macho, que passa muito tempo exposto ao sol. Segundo ele, estudos anteriores já avaliaram as propriedades da cera encontrada em outras espécies e constataram que a coloração azul reflete os raios ultravioleta.

Os pesquisadores acreditam que a E. ana seja característica das veredas do Cerrado. Além da reserva em Uberlândia, ela também foi encontrada pelo grupo no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso.

Assinam o estudo, além de Ferreira, o seu orientador no doutorado, o pesquisador Pitágoras C. Bispo, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Assis, Diogo S. Vilela, da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto, e Kleber Del-Claro, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

O artigo Erythrodiplax ana sp.nov. (Odonata: Libellulidae) from Brazilian plams swamps pode ser acessado neste link.

*Texto publicado originalmente em 21/09/2016 no site da Agência Fapesp de Notícias


Foto: divulgação

Um comentário em “Nova espécie de libélula é identificada no Cerrado

  • 3 de maio de 2017 em 10:52 AM
    Permalink

    Aqui no sertão nordestino tbm existem várias espécies de libelulas,inclusive uma que vive nos riachos bem parecida com essa,só que sendo menor e o corpo mais azulado,lindas,tbm tenho registro de espécies noturnas bem interessantes.

    Resposta

Deixe uma resposta