Nosso pedido de Natal: ajude Bonita a ter uma família!

Nosso pedido de Natal: ajude Bonita a ser levada a uma área em que possa viver com outros muriquis

Natal é tempo de doação, generosidade e compaixão. E nós, aqui no Conexão Planeta, por sermos apaixonados pela natureza e pelos animais, nos sensibilizamos com a história tocante dessa macaquinha, uma muriqui-do-norte, que foi batizada com o nome de Bonita.

Em maio deste ano, ela foi encontrada, completamente sozinha em um pequeno fragmento de floresta, no entorno do Parque Nacional do Caparaó, localizado na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

A equipe de analistas ambientais do parque acredita que a jovem muriqui deixou sua família para encontrar um novo grupo da espécie, comportamento natural dos muriquis. Entretanto, ela acabou ficando presa em uma área isolada, o que restou do que antes teria sido uma floresta, mas que foi desmatada. Bonita está hoje em um espaço do tamanho aproximado de um campo de futebol, cercado por pastagens e plantações de café.

Como os muriquis dificilmente se movimentam pelo chão, pois sempre usam as copas das árvores para se locomover, jamais ela conseguirá sair dali por conta própria.

Então há sete meses, a macaquinha está sendo monitorada pela equipe do Projeto Muriquis do Caparaó, que quer transferí-la dali para um outro local, onde ela possa ficar em companhia de indivíduos da mesma espécie.

Para que isso seja possível, a organização precisa de ajuda financeira para custear o deslocamento. E é aí que entra o seu espírito natalino! Será necessário arrecadar pouco mais de R$ 70 mil reais para pagar todo o processo de transferência da Bonita até outro lugar, e até agora, a campanha de crowdfunding lançada pelo pessoal do Projeto Muriquis do Caparaó, no site Kickante, só conseguiu arrecadar R$2 mil.

A captura da pequena muriqui-do-norte precisará ser feita por uma equipe multidisciplinar, envolvendo biólogos e veterinários, muito bem qualificados e experientes. Além disso, por se tratar de um animal arborícola, será necessário contar com a presença de biólogos especializados em técnicas de escaladas para que eles possam resgatar a Bonita do dossel das árvores quando ela for anestesiada e evitar que ela fique presa ou sofra uma queda, o que poderia ser fatal.

Fora a captura e transporte para outra área, o valor arrecadado será usado para cobrir os gastos logísticos de deslocamento, hospedagem e alimentação da equipe durante os dias de campo em ambas as áreas, os exames realizados, equipamentos, locação de veículos, e o monitoramento através de rádio colar.

Todo o valor arrecadado e a forma como foi gasto estarão disponíveis para o público no próprio site da campanha.

Então, vamos ajudar a Bonita a ser feliz? Atualmente ela vive sozinha, em total isolamento. Quando encontrar novos companheiros, poderá se reproduzir e desta maneira, ajudar os muriquis-do-norte a aumentarem sua população.

Estima-se que hoje restem menos de 900 indivíduos da espécie, que é endêmica da Mata Atlântica, ou seja, só existe ali e em nenhum outro lugar do mundo. Esses centenas de muriquis estão distribuídos em pouco mais de dez pequenos grupos.

Além dos impactos da destruição e fragmentação de seu habitat e da perda da diversidade genética, os muriquis-do-norte sofreram também um declínio populacional devido ao último surto de febre amarela, que ocorreu entre 2016 e 2017.

Com apenas R$10 você já pode ajudar a Bonita. Não é muito, é? Fica aqui nosso pedido de Natal: vamos acabar com a solidão da Bonita! Acesse já o site da campanha e doe!

Leia também:
Descoberta de Esmeralda traz esperança para reprodução dos muriquis na Mata Atlântica

Foto: divulgação Projeto Muriquis do Caparaó

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta