No Natal, faça um amigo refugiado. Em 2017, também!


Há mais de oito mil refugiados registrados no Brasil. E cerca de 28 mil que ainda não foram reconhecidos. Esse número só vai aumentar porque há inúmeros conflitos pelo planeta – parte deles relacionados às mudanças climáticas – devastando a vida de milhares de pessoas que fogem em busca de paz e de uma vida digna. E o Brasil ainda é um dos países que mantém as portas abertas para quem quiser vir.

E, se a situação dessas pessoas é terrível em qualquer momento, imagine nesta época do ano em que, geralmente, famílias e amigos se reúnem para celebrar o Natal e o fim de ano e confraternizar. A maioria desses imigrantes veio pra cá sem família e sem amigos. Muitos não sabem nem se estão vivos. A solidão é cortante. E o que lhes dá um pouco de alento são as instituições que trabalham para acolhê-los e integrá-los como a Adus e a Migraflix, só para citar algumas.

E é por causa da Migraflix que escrevo hoje. Ela foi criada pelo argentino Jonathan Berezovsky (foto, ao lado) – ele já foi imigrante em três países e vem de família que mistura italianos, poloneses e russos – e tem como missão ajudar os refugiados a divulgarem sua cultura e a se integrarem à cultura brasileira por meio de oficinas e workshops (principalmente culinária e dança) realizados pelos próprios refugiados: Meu Amigo Refugiado.

Pois este mês a Migraflix lançou uma campanha muito simpática em São Paulo e no Rio de Janeiro para incentivar os brasileiros a convidarem refugiados para a ceia de Natal, aproveitando o clima de confraternização.

16 imigrantes (13 de São Paulo e três do Rio), como Olga Yavo, da Costa do Marfim (na foto de destaque deste post), se inscreveram.  Mas mais de 500 famílias se inscreveram no site para recebê-los em suas casas. Por isso, a ONG teve que convidar mais imigrantes para participar. As despesas correm por conta de quem convida e o(s) refugiado(s) se compromete a levar um prato típico de seu país para a ceia. Mas, muito mais do que conhecer a culinária de cada lugar de origem, os participantes poderão conhecer histórias de vida muito interessantes, além de – quem sabe? – ganhar um amigo.

A campanha foca no Natal, mas nada impede que você repita o convite também no Ano Novo e nas celebrações de 2017. Afinal, boas ideias como esta merecem ser replicadas e adaptadas. E tem muita gente ávida por conhecer pessoas de outras culturas, trocar ideias, energias e também se doar, e ainda com facilidade para manter contato. Basta uma boa oportunidade como a criada por Berezovsky e a Migraflix.

Agora, assista ao vídeo da campanha:

Leia também:
Coletes usados por refugiados transformam Praça do Parlamento Britânico em enorme cemitério
A crise dos refugiados imortalizada para sempre no fundo do mar
Dia Mundial do Refugiado: 635 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas em 2015
Refugiados moram em resort abandonado na Grécia
Como ajudar os refugiados no Brasil e no mundo

Fotos: Reproduções do vídeo da campanha

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta