Natureza viva traz riqueza de experiências, percepções e criatividade

Formatos, texturas, desenhos, padrões, encaixes, movimentos. Quando estamos em meio a natureza, toda a vida e as manifestações que acontecem, ali, nos inserem em um ambiente estético bastante harmônico e único. Vocês já pararam para observar?
Nós adoramos observar as árvores, por exemplo, e imaginar como foi que elas cresceram até alcançarem aquele formato. E toda essa observação é traço, desenho, movimento, dança.
Se prestarmos muita atenção veremos que, em uma grande árvore, não há uma folha exatamente igual à outra. E quantas formas diferentes existem na natureza? Infinitas.
Ao passo que, nas cidades e no campo, as formas criadas pelo homem tendem a ser predominantemente as mesmas: retas, quadradas, retangulares, triangulares, ovais, não passam muito disso.
Nos ambientes construídos pelo homem vivemos uma enorme carência de formas e nuances de cores, efeito da exclusão da maior parte dos elementos naturais que ali estavam, no ecossistema natural onde a cidade ou a fazenda foram implantados.
A perda da biodiversidade provoca em nós a perda da capacidade perceptiva, pela falta de oportunidades de se deparar com a multiplicidade de formas, cores e luminosidades, apesar de nossos órgãos dos sentidos terem evoluído e adquirido a forma atual justamente no contato e no convívio com os seres não humanos.

Além disso, muito do design natural inspirou a humanidade ao longo de sua história. Nas cores, nas composições… Nossa imaginação e criatividade transformaram galhos e pedras em ferramentas, árvores e terra em casas.

Ter a natureza perto e observar relações e transformações só nos faz mais criativos e criadores. Quantos pássaros não foram observados para se criar o avião? E o carrapicho, aquela plantinha que gruda em nossas roupas, foi inspiração para se criar o velcro.

Ter a natureza próxima das crianças não deve ser esporádico, tem que ser frequente, intenso. Tem que ter tempo livre para brincar, explorar e perceber. Assim, elas não perdem essa capacidade de olhar e de sentir a infinita produção de formas que o mundo natural oferece.

É cada vez mais comum nos ambientes (fechados) que adultos idealizam para abrigar crianças, uma explosão de cores fortes, brinquedos de plástico, chão emborrachado, desenhos de personagens cobrindo as paredes. Isso acontece em escolas, hotéis, espaços para brincar em consultórios, restaurantes e muitos outros locais.

Essa poluição visual atrofia a capacidade natural que as crianças têm de desfrutar e de se relacionar com as coisas. Pois as coisas vivas sempre se oferecem algo mais para as relações, e as crianças querem se relacionar com tudo à sua volta. As cores e materiais artificiais têm um potencial de comunicação muito limitado e não estimulam tanto as crianças à imaginação.

No projeto Caixas da Natureza que criamos no ano passado, as atividades são realizadas sempre em grupo. Recebemos relatos de educadoras que, depois dessa atividade, sentiram necessidade de transformar os espaços da escola, trazendo mais natureza para perto das crianças, em seu dia-a-dia. Alguns grupos descobriram diferentes cores de terra no terreno da escola e produziram tintas, outros brincaram com elementos da natureza e encontraram furacões em forma de pinha e guarda-chuva em forma de folha.

Esses encantos e descobertas acontecem especialmente quando há tempo para brincar e criar intimidade com o espaço rico em vida. E quando há a disponibilidade dos adultos em observar e estar disponível para escutar o que as crianças falam, ora com suas palavras, ora com seus olhares, ora com seus gestos.

Ana Carolina é pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica, e trabalha com primeira infância. Rita é bióloga e socióloga, ministra cursos, vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza. Quando se conheceram, em 2014, criaram o projeto “Ser Criança é Natural” para desenvolver atividades com o público. Neste blog, mostram como transformar a convivência com os pequenos em momentos inesquecíveis.

Ana Carolina Thomé e Rita Mendonça

Ana Carolina é pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica, e trabalha com primeira infância. Rita é bióloga e socióloga, ministra cursos, vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza. Quando se conheceram, em 2014, criaram o projeto "Ser Criança é Natural" para desenvolver atividades com o público. Neste blog, mostram como transformar a convivência com os pequenos em momentos inesquecíveis.

Deixe uma resposta