Nascimento de pandas gêmeos surpeende equipe de zoológico de Berlim

Nascimento de pandas gêmeos é celebrado em zoológico de Berlim

Foi uma enorme surpresa. No ultra-som divulgado recentemente, na página do Facebook do Zoo de Berlim, apenas um filhote aparecia no útero da panda Meng Meng.

Todavia, no sábado, dia 31/08, depois de uma gestação de 147 dias, a fêmea de panda gigante deu à luz a dois filhotes. O segundo nasceu uma hora após o primeiro. Os pequenos animais ainda não se parecem em nada com um panda adulto: pesam menos de 200 gramas, são rosados, com pelos brancos cobrindo o corpo e tem um longo rabo.

Esta foi a primeira gravidez de Meng Meng, que tem 6 anos. Mamãe e filhotes passam bem!

“Momentos mágicos estão ocorrendo nos bastidores do Panda Garden no Zoo Berlin. Usando suas patas grandes e poderosas, a mamãe panda aconchega seus pequenos recém-nascidos rosas no pelo quente e macio de seu rosto”, descreveu a equipe do zoológico em um comunicado à imprensa.

“Embora estes sejam os primeiros filhos de nossa jovem panda, ela já está fazendo um trabalho maravilhoso como mãe. No início, os filhotes precisam se alimentar aproximadamente a cada duas a três horas e dependem do calor corporal da mãe para se aquecer”, explicou Andreas Knieriem, veterinário e diretor do zoológico.

Em geral, quando têm filhotes gêmeos, as fêmeas pandas acabam cuidando somente de um deles. Por esta razão, os filhotinhos estão sendo colocados em turnos alternados, de duas a três horas com a mãe, para serem amamentados de maneira igual, além de estarem sendo cuidados em uma incubadora quente por especialistas chineses em reprodução.

Pandas, ainda ameaçados

Apesar de grandes esforços de proteção e bons resultados obtidos nas últimas décadas por ambientalistas e pelo próprio governo da China, o primeiro e mais famoso símbolo da luta pela preservação de espécies animais continua correndo risco de ser extinto. De acordo com um estudo publicado na revisa Nature, em outubro de 2017, o panda gigante perdeu uma significativa área de seu habitat, que se encontrava cada vez mais fragmentado e isolado.

Em setembro de 2016, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), mudou o status do panda gigante (Ailuropoda melanoleuca) na lista vermelha dos animais sob risco de extinção de “ameaçado” para “vulnerável”, como mostramos aqui neste outro post.

Estima-se que existam atualmente 1.864 pandas adultos vivendo livres na natureza. “Como resultado, o nascimento de cada novo filhote representa uma importante contribuição para a conservação da espécie”, ressalta Knieriem.

Leia também:
Urso panda chega ao Minecraft e, com ele, a chance de ajudar o WWF-Brasil
Panda gigante (ainda) em risco

Fotos: reprodução vídeo (abertura), divulgação Zoo Berlin (filhotes) e Mr.TinDC/Creative Commons/Flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta