Na loja dos refugiados, você sai de mãos vazias e coração transbordando

O Natal está quase aí e com sua chegada há um bombardeio de mensagens estimulando o consumo. O objetivo do marketing é incutir em nossa mente o conceito de comprar, comprar, comprar. Entretanto, poucos param para pensar o significado real da celebração. Seja qual for a sua religião, o Natal deveria ser um momento de união e agradecimento pelo que temos: saúde, amigos, família, paz e alegrias.

Infelizmente, nem todos têm o que comemorar. É o caso dos 65,6 milhões de pessoas que, em 2016, foram obrigadas a deixar suas casas por causa de conflitos e perseguições. O número é maior do que a população do Reino Unido e supera em 300 mil o registrado em 2015.

Para ajudar estas pessoas, foi inaugurada em Londres, a primeira loja pop-up de Natal para refugiados. Chamada de Choose Love (Escolha o Amor, na tradução para o português), ela é a primeira do gênero no mundo.

O slogan da loja é “Saia sem nada e se sinta ótimo!”. Porque na Choose Love, os clientes vão comprar presentes de Natal para os refugiados. Os itens foram separados em temas: chegada, campo de refugiados e futuro. Entre as opções estão, por exemplo, equipamentos médicos, cobertores térmicos, meias, roupas para bebês, lanternas, mochilas escolares e cartões de recarga de celular. Ao lado de cada um destes itens, há uma explicação de porquê eles são importantes para o refugiado.

A ideia dos organizadores da loja, concebida pela organização de caridade Help Refugees e o coletivo criativo Glimpse, é também sensibilizar as pessoas sobre a grave crise humanitária enfrentada por refugiados no mundo todo.

Os produtos comercializados na Choose Love serão destinados a refugiados na Europa e Oriente Médio. É agora, no inverno europeu, que estas pessoas sofrem ainda mais, com as baixas temperaturas dos dias frios.

“É fácil esquecer como temos sorte em ter uma cama, um cobertor e um telhado sobre nossas cabeças”, diz Josie Naughton, CEO da Help Refugees. “Para milhares de refugiados neste inverno, estes direitos humanos básicos estão completamente fora de alcance”.

E ele acrescenta. “Esta loja é sobre uma ideia simples: que todos deveríamos Escolher Amor neste Natal e ajudar aqueles que precisam”.

Além da loja física, que ficará aberta durante um mês,
o projeto conta também com vendas online

Leia também:
A crise dos refugiados imortalizada para sempre no fundo do mar
Refugiados somos todos nós
Como ajudar os refugiados no Brasil e no mundo
Líbano, refugiados e o verdadeiro sentido de viver

Fotos: divulgação Help Refugees/Glimpse

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta