Municípios baianos foram os que mais desmataram a Mata Atlântica em 2016

Municípios baianos foram os que mais desmataram a Mata Atlântica em 2016

Na região da Mata Atlântica estão localizados 3.429 munícipios brasileiros, situados em 17 estados, onde vivem cerca de 145 milhões de pessoas. Além delas, os remanescentes de florestas originais abrigam milhares de espécies de animais e plantas, algumas, ameaçadas de extinção. É este ecossistema que garante ainda água e ar limpo para seus moradores.

Infelizmente, hoje só resta 8,5% dessa importante floresta que já cobriu grande parte do Brasil.

Anualmente, a Fundação SOS Mata Atlântica faz um levantamento sobre o desmatamento da floresta e indica quais os municípios derrubaram mais mata nativa. Pois ontem, 13/12, a entidade divulgou o estudo realizado, que mostra a situação entre 2015 e 2016.

O relatório, que tem parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), revela que 598 cidades desmataram o bioma no último ano, e na grande maioria, eram municípios da Bahia. Eles representaram 40% do total do desmatamento no período, ou seja, 130 cidades baianas derrubaram 12.420 hectares de florestas nativas.

A cidade histórica de Santa Cruz Cabrália, no sul do estado, onde foram realizadas as primeiras missas do Brasil, foi a campeã deste ranking lamentável. Eliminou de 3.126 hectares. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estática (IBGE), as principais fontes do município vem de serviços (turismo) e agropecuária.

A vice-liderança do levantamento do desmatamento feito pela SOS Mata Atlântica apresenta a baiana Belmonte, que também fica na chamada Costa do Descobrimento. Ela derrubou 2.122 hectares de mata nativa.

Na sequência, entre os dez municípios que mais desmataram, estão localidades de Minas Gerais e do Piauí.

“A Mata Atlântica é o bioma mais ameaçado do país. Um total de 72% da população brasileira vive na Mata Atlântica, assim como mais da metade dos animais ameaçados de extinção do país. Ao desmatar, estamos prejudicando nosso próprio bem-estar e qualidade de vida”, lamenta Marcia Hirota, diretora executiva da Fundação SOS Mata Atlântica.

Gráfico mostra aumento do desmatamento em Santa Cruz Cabrália, na Bahia

Todas as informações detalhadas sobre o estudo estão disponíveis no site e aplicativo Aqui Tem Mata?, que oferece uma busca personalizada por meio de mapas interativos e gráficos.

Campeões do desmatamento da Mata Atlântica em 2016

1˚) Santa Cruz Cabrália (BA)
2˚) Belmonte (BA)
3˚) Manoel Emídio (PI)
4˚) Wanderley (BA)
5˚) Porto Seguro (BA)
6º) Águas Vermelhas (MG)
7º) Canto do Buriti (PI)
8º) Alvorada do Gurguéia (PI)
9º) São João do Paraíso (MG)
10º) Jequitinhonha (MG)

Leia também:

Mata Atlântica: em um ano, desmatamento cresce quase 60%
Descoberto poder anti-inflamatório e antioxidante de frutas exóticas da Mata Atlântica
Campanha extrai música do pau-brasil para alertar sobre desmatamento na Mata Atlântica
Paraná foi o estado que mais recuperou florestas da Mata Atlântica nos últimos 30 anos

Foto: crustmania/creative commons/flickr

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta