#orangetheworld: mundo se ilumina de laranja pelo fim da violência às mulheres

monumentos iluminados de laranja pela campanha pelo fim da violência às mulheres #orangetheworld

Prepare-se: os dados são chocantes. Uma a cada três mulheres já sofreu violência sexual ou física. E geralmente o agressor é um companheiro íntimo. Em 2012, uma em cada duas mulheres assassinadas no mundo foi morta pelo parceiro ou alguma pessoa da própria família. Entre os homens assassinados, esta porcentagem é de 1 para 20. Os números são da UN Women, braço das Nações Unidas que trabalha pela igualdade de gêneros e empoderamento das mulheres.

Para alertar o mundo sobre este pandemia de violência – que acontece em lugares públicos ou privados -, a ONU Mulheres lançou a campanha #orangetheworld para pedir o fim à violência contra mulheres e meninas. Durante 16 dias, de 25/11 até 10/12, em mais de 70 países, a organização está promovendo atividades, divulgando informações e planejando estratégias conjuntas para acabar com esta prática inaceitável.

No mundo todo, diversos monumentos foram iluminados de laranja como apoio à #orangetheworld. Entre os locais que ganharam a nova cor estão as Cataratas de Niágara (Canadá/USA), edifício da Comissão Europeia (Bélgica), ruínas arqueológicas de Petra (Jordânia), Empire State Building (Nova York) e a Catedral de Brasília.

A violência contra as mulheres em números

A ONU Mulheres preparou também um infográfico (disponível neste site) com mais dados sobre a violência contra mulheres e garotas ao redor do mundo. Confira alguns destes tristes indicadores:

– somente 52 países declararam o estupro dentro do casamento como crime, isso quer dizer, que 2,6 bilhões de mulheres e meninas estão sujeitas ao estupro no casamento;
– na União Europeia, 45% a 55% das mulheres relataram ter sofrido assédio sexual;
– em alguns países, 1/3 de adolescentes do sexo feminino disseram que suas primeiras experiências sexuais foram forçadas;
– 133 milhões de mulheres e garotas tiveram seus órgãos genitais mutilados em países da África e Oriente Médio, onde esta prática bárbara ainda acontece;
– 700 milhões de meninas são forçadas a casar antes dos 18 anos. 1/3 delas se casam antes dos 15 anos.

Uma das principais e mais fortes armas para dar um basta de vez à violência contra as mulheres é através da educação. É importantíssimo também envolver homens e garotos na discussão. Abrace esta campanha e espalhe pelas redes as hashtags #orangetheworld, #16days e #violenceagainstwomen



Leia também:
Campanha #MeuAmigoSecreto denuncia machismo e discriminação contra mulheres
Contra o racismo, a violência e pelo bem viver!

Foto: divulgação UN Women

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

4 comentários em “#orangetheworld: mundo se ilumina de laranja pelo fim da violência às mulheres

Deixe uma resposta