Mulheres e homens têm direitos trabalhistas iguais em apenas seis países do mundo… E o Brasil não é um deles!

Mulheres e homens têm direitos trabalhistas iguais em apenas seis países do mundo... E o Brasil não é um deles!

Pergunta para as brasileiras: será que seu colega na empresa, do sexo masculino, que faz exatamente o mesmo trabalho que você, no final do mês, ganha um salário igual ao seu? Provavelmente não! Isso é o que revela um levantamento feito pelo Banco Mundial no estudo “Women, Business and Law 2019: Uma Década de Reformas”.

O relatório analisou como a carreira profissional e o empreendedorismo femininos são afetados, em diversos países do mundo, pela discriminação de gêneros, ao longo da última década. Os pesquisadores identificaram como as leis impactam desde a jovem que tenta conseguir seu primeiro emprego, até a mulher no meio da carreira que decide ter um filho e aquela que já está quase se aposentando.

Nas 187 economias avaliadas, foram considerados oito indicadores: Ir e Vir (liberdade de movimento); Começo de Trabalho; Salário; Casamento; Filhos; Próprio Negócio; Administração de Ativos e Pensão.

Em apenas seis países, mulheres possuem igualdade de condições com os homens em todos os oito itens acima. São eles: Bélgica, Dinamarca, França, Latvia, Luxemburgo e Suécia.

O Brasil aparece na 71ª posição no ranking. Somente dois países da América Latina conseguiram pontuação acima de 90 (o máximo é 100): Peru, com 95 pontos e Paraguai, com 94,38.

No caso brasileiro, os indicadores em que o país mais perdeu ponto foram Pensão (processo para conseguir a aposentadoria), Salário e Próprio Negócio.

Pelo gráfico abaixo é possível perceber que houve uma melhora global na equação – homens x mulheres no ambiente de trabalho -, entre 2009 e 2018, mas ela ainda é muito melhor nos países mais ricos. As maiores diferenças entre os direitos trabalhistas para eles e elas são encontradas no Oriente Médio e no norte da África.

“A igualdade de gênero é um componente crítico do crescimento econômico. As mulheres são metade da população mundial e temos o nosso papel na criação de um mundo mais próspero. Mas não teremos sucesso se as leis continuarem a nos deixar para trás”, alerta Kristalina Georgieva, presidente interina do World Bank Group.

“Sabemos, entretanto, que alcançar a igualdade de gênero requer mais do que apenas mudanças nas leis. Elas precisam ser implementadas de forma significativa – e isso requer vontade política, liderança de mulheres e homens em toda a sociedade e sobretudo, em comportamento e hábitos culturais do passado”, complementa.

Ranking dos Países com Direitos Trabalhistas Iguais para Homens e Mulheres

Bélgica (100)
Dinamarca (100)
França (100)
Latvia (100)
Luxemburgo (100)
Suécia (100)
Áustria (97,5)
Canadá (97,5)
Estônia (97,5)
Finlândia (97,5)
Grécia (97,5)
Irlanda (97,5)
Portugal (97,5)
Espanha (97,5)
Reino Unido (97,5)
Brasil (81,88)

Leia também:
Islândia aprova projeto que equipara salários de homens e mulheres. Agora é lei!
Quanto maior a idade e a escolaridade, menores são os salários ‘delas’ em relação aos ‘deles’
Mulheres, a lei e a política
“Mulheres qualificadas melhoram a economia, reduzem a pobreza e erradicam o trabalho infantil”, afirma Malala

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta