Mudanças climáticas ameaçam Patrimônios Naturais e Culturais da Humanidade

mudanças climáticas ameaçam patrimônios da humanidade, como os totens da Ilha de Páscoa

Alguns dos lugares mais lindos do planeta, visitados por milhões de turistas todos os anos, correm risco de desaparecer ou serem fortemente impactados pelos extremos climáticos, provocados pelo aquecimento da superfície da Terra.

O aumento do nível do mar, temperaturas mais quentes e a acidificação dos oceanos são algumas das ameaças que podem afetar importantes Patrimônios da Humanidade, alerta o estudo World Heritage and Tourism in a Changing Climate, divulgado na semana passada pela Union of Concerned Scientists, organização internacional independente que reúne cientistas que pesquisam e buscam soluções para os problemas mais urgentes da atualidade. O estudo teve o apoio ainda da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP).

O documento menciona 31 patrimônios naturais e culturais da humanidade, lugares estes proclamados pela Unesco como tendo inestimável valor e significado para a civilização moderna. Situados em 29 países, os patrimônios que aparecem no relatório já sofrem com os impactos das mudanças climáticas. Estes lugares estão extremamente vulneráveis ao derretimento acelerado de geleiras, ondas de calor extremo, secas históricas, incêndios florestais, entre outros desastres do clima.

Entre os locais citados estão, por exemplo, Yellowstone National Park, nos Estados Unidos, onde os invernos mais curtos e quentes e consequentemente, o menor acúmulo de neve, impactam o fluxo dos rios e aumentam a proliferação de pragas, mais resistentes ao calor, que destroem as árvores do parque. Outro caso mostrado pelo estudo é o da cidade histórica de Hoi An, no Vietnã. Um dos mais bem preservados portos do século XV no Oriente, ela tem centenas de edifícios feitos de madeira, que correm o risco de ser inundados pela elevação do nível dos oceanos.

Já os recifes de corais da Nova Caledônia, no Pacífico Sul, um dos maiores do mundo e com uma riquíssima biodiversidade, sofreram com os impactos do El Niño este ano. Da mesma maneira, o fenômeno coloca em risco espécies como iguanas, leões marinhos e pinguins na Ilha de Galápagos. “Totens da Ilha de Páscoa podem ser levados pelo mar devido à erosão costeira e muitos corais estão ficando brancos de maneira nunca registrada antes. As mudanças do clima podem fazer, inclusive, com que alguns patrimônios percam seus títulos”, afirmou Adam Markham, um dos autores do estudo.

Os cientistas que elaboraram o relatório  defendem que sejam tomadas medidas urgentes para proteger estes patrimônios. Entre as ações sugeridas estão a identificação dos locais mais vulneráveis às mudanças climáticas e a implementação de políticas e investimentos financeiros para aumentar a resiliência dos mesmos; envolver o setor turístico na conscientização da vulnerabilidade dos Patrimônios da Humanidade perante os extremos climáticos e ainda, reforçar a necessidade da implantação imediata do Acordo de Paris, tratado firmado entre países membros da ONU para reduzir a emissão de gases de efeito estufa.

Abaixo a lista completa dos Patrimônios da Humanidade que constam no estudo e estão ameaçados pelas mudanças climáticas:

África
Bwindi Impenetrable National Park, Uganda
Ruínas de Kilwa Kisiwani e Ruínas de Songo Mnara, Tanzânia
Cape Floral Region Protected Areas, África do Sul
Lake Malawi National Park, Malawi

Oriente Médio
Ouadi Qadisha (the Holy Valley) e Forest of the Cedars of God (Horsh Arz el-Rab), Líbano
Wadi Rum Protected Area, Jordânia
Ancient Ksour of Ouadane, Chinguetti, Tichitt and Oualata, Mauritânia

Ásia e Pacífico
Rock Islands Southern Lagoon, Palau
Hoi An Ancient Town, Vietnã
Shiretoko, Japão
Komodo National Park, Indonésia
Sagarmatha National Park, Nepal
Lagoons of New Caledonia: Reef Diversity and Associated Ecosystems, Pacífico do Sul
Rice Terraces of the Philippine Cordilleras, Filipinas
Golden Mountains of Altai, Rússia
East Rennell, Ilhas Solomon

América do Norte
Yellowstone National Park, Estados Unidos
Statue of Liberty, Estados Unidos
Old Town Lunenburg, Canadá
Mesa Verde National Park, Estados Unidos

América Latina
Porto, Monumentos e Fortaleza de Cartagena, Colômbia
Coro, Venezuela
Ilha de Galápagos Islands, Equador
Huascarán National Park, Peru
Reserva de Mata Atlântica, Brasil
Rapa Nui National Park (Easter Island), Chile

Europa
Ilulissat Icefjord (Greenland), Dinamarca
Heart of Neolithic Orkney, Reino Unido e Irlanda do Norte
Stonehenge, Avebury e parques associados, Reino Unido e Irlanda do Norte
Wadden Sea, Holanda, Alemanha e Dinamarca
Veneza e suas lagoas, Itália

Leia também:
Acordo de Paris pode entrar em vigor em 2017, três anos antes do prazo oficial
Um cenário desolador em que não queremos viver
A era do carvão chegou ao fim

Foto: Frank Kehren/Creative Commons/Flickr

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta