Morte e vida pantaneira

morte-e-vida-pantaneira-1
Recentemente vivi ‘a lida’ do ir e vir pelas estradas do Mato Grosso do Sul. Me lembrei de tempos de outrora, quando pisei nos campos encharcados do Pantanal pela primeira vez em 1989, trazido pelos trilhos e vagões que agora adormecem esquecidos em algum lugar qualquer. Através das janelas, meus olhos se perderam nas paisagens que corriam para trás, como um filme de galope invertido. Um galope de cavalo pantaneiro que não dá chance pra jacaré amuado.

Nos dias presentes encontrei os mesmos moradores; os lobinhos continuam a caminhar a passos ligeiros pelos campos, enquanto os focinhos das capivaras ondulam as águas metalizadas dos rios. Aves brancas, aos montes e sem o menor pudor, desnudam o céu numa chuva ascendente de asas. Jacarés ‘carapaceando’ as barrancas dos rios sob o amigo Sol, que continua a tocar o horizonte e se desmantelar em tons incorrigíveis de amarelo. Tudo parece continuar como o tempo da vida.

Mas a sonoplastia das araras parece que agora ecoa menos, ou será que os banhados encolheram?

Pois uma sensação estranha arremete; agora são mais estradas, mais campos monótonos e monopolizadores de grãos substituindo as cordilheiras e capões, mais tropas de ‘cavalos’ roncando motores. Agora o vento não sopra apenas brisas e cheiro molhado de mato em vida, mas também nuvens densas e avinagradas de (trágicas) mudanças.

Até mesmo os animais em passos parecem calados. Como se não bastasse a lida diária atrás de comida e fugindo de ser ela – a comida, os lobinhos, as capivaras e tudo quanto é bicho dos campos agora tem de caminhar a passo ainda mais ligeiro pra fugir da tropa. Mas não a tropa de pantaneiros que trotam cavalos molhados. O que afugenta agora é aquela tropa que tem luz nos olhos, ronca para caminhar e solta nuvem densa do rabicó. E que não desvia nem perdoa.

morte-e-vida-pantaneira-2

morte-e-vida-pantaneira-3

Geólogo formado pela USP e especializado em Espeleologia, é fotógrafo e escritor desde 1992 e um dos mais ativos profissionais na documentação de projetos conservacionistas e etnográficos da atualidade. Autor de 13 livros fotográficos, dois de poesia e centenas de reportagens publicadas em revistas nacionais e estrangeiras. Ministra palestras e encontros sobre fotografia, conservação e filosofia de viagem.

Adriano Gambarini

Geólogo formado pela USP e especializado em Espeleologia, é fotógrafo e escritor desde 1992 e um dos mais ativos profissionais na documentação de projetos conservacionistas e etnográficos da atualidade. Autor de 13 livros fotográficos, dois de poesia e centenas de reportagens publicadas em revistas nacionais e estrangeiras. Ministra palestras e encontros sobre fotografia, conservação e filosofia de viagem.

Deixe uma resposta