Morre Lonely George: apenas um caracol, mas o último de sua espécie

Morre Lonely George: apenas um caracol, mas o último de sua espécie

Das mais de 750 espécies de caracóis terrestres descritas nas ilhas do Havaí, Achatinella apexfulva foi a primeira delas. Já em 1787, era possível encontrar registros do pequeno caracol, que vive em árvores, se alimentando dos fungos delas.

Antes abundantes nas ilhas havaianas, pouco a pouco, esses pequenos seres invertebrados foram desaparecendo. Alguns dizimados por espécies invasoras, como ratos que chegaram ao local com navios, e camaleões, vendidos como animais de estimação. Além disso, a perda de habitat (vegetação) provocada pela introdução de porcos, cabras e veados contribuiu para a morte dos caracóis.

Em 1997, os últimos dez indivíduos da espécie Achatinella apexfulva – entre eles, George -, foram levados para um laboratório da Universidade do Havaí, em uma tentativa desesperada de salvá-los da extinção. Tentou-se estimular a reprodução dos animais, mas foi inútil. Nove deles morreram e sobrou apenas George, que ficou então conhecido, mundialmente, como Lonely (Solitário) George.

Seu nome era uma homenagem a outro símbolo da extinção de espécies no planeta: a tartaruga George, nas Ilhas Galápagos, também o último sobrevivente entre os seus pares. Ele morreu com mais de 100 anos, em 2012.

Estima-se que George, o caracol, tivesse 14 anos.

“Embora de linhagens evolutivas imensamente diferentes, esses Georges viveram vidas simples em cativeiro. Ambos levaram silenciosamente milhões de anos de evolução – todo o seu genoma – para o esquecimento”, lamentou a equipe do Department of Land and Natural Resources do Havaí, em sua página no Facebook.

“Infelizmente, o seu falecimento é também um prenúncio do que está por vir para os nossos restantes Kahuli (caracóis de árvore), se mais nada for feito urgentemente para os proteger de espécies invasoras e alterações climáticas. Muitos dos caracóis terrestres restantes da ilha estão enfrentando uma extinção iminente”.

Acredita-se que, das mais de 750 espécies desses animais, então existentes no Havaí – uma das populações mais diversas do planeta -, 90% já desapareceram.

Por causa de suas conchas coloridas, no passado, os caracóis havaianos eram chamados de joias da floresta. O folclore das ilhas diz que eles podem até cantar.

Infelizmente, o canto de mais um deles foi silenciado.

Leia também:
Oito espécies que podem entrar em extinção já em 2019
Estado americano vai investir US$ 1 bilhão em programa para salvar baleias orcas da extinção
“Se não dermos um basta à perda da biodiversidade, poderemos enfrentar nossa própria extinção”, alerta ONU
Brasil tem sete espécies de árvores em risco de extinção
Uma em cada oito aves do planeta está em risco de extinção

Fotos: The Snail Extinction Prevention Program (SEP)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta