Ministra do Meio Ambiente da França diz que país poderá não assinar acordo do Mercosul por causa do Brasil

Ministra do Meio Ambiente da França diz que país não assinará acordo do Mercosul por causa do Brasil

“Não podemos assinar um tratado comercial com um país que não respeita a Floresta Amazônica, que não respeita o Acordo de Paris. A França não assinará o Acordo do Mercosul nessas condições”, afirmou Elisabeth Borne, ministra francesa do Meio Ambiente, ontem (08/10), em entrevista à emissora de televisão BFM.

Firmado depois de mais de 20 anos de negociações, o tratado tem como principal objetivo eliminar, nas próximas décadas, mais de 90% das tarifas comerciais praticadas atualmente entre a União Europeia e os países do Mercosul – Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. Um dos setores mais beneficiados será o agrícola.

A finalização do acordo ainda depende da aprovação dos países europeus. Entre as exigências para que ele entre em vigor, está a implementação das metas estabelecidas no Acordo de Paris, como redução do desmatamento e das emissões de gases de efeito estufa.

Esta não é primeira vez que o governo de Emmanuel Macron declara suas intenções em arruinar o fechamento do tratado. Em agosto, França, Finlândia e Irlanda já tinham ameaçado aplicar sanções comerciais contra o Brasil por causa do desmatamento na Amazônia.

O último levantamento divulgado pelo Imazon apontou que o desmatamento na Amazônia teve aumento de 60% em agosto. Foram destruídos 886 km2 de floresta.

A imagem do Brasil fica ainda pior, interna e externamente, quando o presidente Jair Bolsonaro mostra o completo desprezo pela preservação de uma das maiores riquezas do país, como no começo do mês, quando disse, em alto e bom tom: “O interesse na Amazônia não é no índio nem na porra da árvore, é no minério!”.

Segundo dados do ministério da Economia, a entrada em vigor do Acordo do Mercosul poderá representar um aumento do PIB brasileiro de US$ 87,5 bilhões em 15 anos.

Leia também:
Ricardo Salles tentou, mas não conseguiu recuperar o Fundo Amazônia
230 investidores de fundos no valor de U$$16,2 trilhões cobram ações de empresas contra desmatamento na Amazônia
Rede de criminosos usa violência e intimidação para realizar desmate ilegal na Amazônia

Foto: reprodução Facebook Elisabeth Borne

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta