Governo Temer revoga decreto que extinguia reserva na Amazônia. Mas ainda não dá pra celebrar!


Ontem à noite, o Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, confirmou que Michel Temer voltou atrás e revogou o decreto que extinguia a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca), liberando-a para exploração de minérios. A decisão deve ser publicada hoje no Diário Oficial da União.

Com a revogação desse decreto, volta a valer o decreto de 1984, que determinou a criação da reserva e proibiu a exploração privada de minérios na área que fica entre os estados do Amapá e do Pará e tem tamanho equivalente ao estado do Espírito Santo – mais de 4 milhões de hectares.

A criação do tal decreto foi alvo rápido não só de ambientalistas, como de artistas e de diversos setores da sociedade. Mexeu com o coração de muitos brasileiros, pela primeira vez. E, na verdade, foi a gota d’água que faltava para que muita gente se mobilizasse por uma causa ambiental.

Os governos anteriores – desde a época de FHC – nunca primaram pela proteção do meio ambiente e dos povos originais, mas, desde que assumiu a presidência, de forma ilegítima, Temer não tem feito outra coisa do que permitir avanços nas florestas e promover o desmatamento, as lutas por terra, ataques aos direitos dos povos indígenas e também ceder à exploração de riquezas naturais por empresas estrangeiras, como aconteceria com a Renca.

Mas ainda não há motivo para celebrar já que o ministro comentou também que o governo ainda deve retomar o debate sobre exploração mineral nessa área. Lembremos que, quando o decreto foi suspenso, o mesmo ministro afirmou que, em 120 dias, o governo apresentaria conclusões de um “debate mais amplo” com os brasileiros. É disso que ele fala, agora: o governo quer tornar o debate mais democrático, envolvendo mais pessoas.

Ou seja, o governo Temer não desistiu da Renca. Estão de olho nela. Nós também!

Leia também:
Artistas nacionais e internacionais doam guitarras para leilão pela Amazônia
No Rock in Rio, líder indígena sobe ao palco a convite de Alicia Keys para pedir proteção da Amazônia

Artistas e indígenas entregam 1,5 milhão de assinaturas pela Amazônia no Congresso 
Músicos amazonenses cantam pela floresta e contra medidas do governo Temer 
Papa pede pela Amazônia e apoia vigília por sua proteção
Tumucumaque: um pedaço do paraíso ameaçado pela mineração
Extinção de reserva na Amazônia não é fato isolado, mas faz parte de uma operação casada 
Governo congela decreto que extingue reserva na Amazônia (Renca) para debater com a sociedade
Juiz federal suspende atos do decreto que extingue reserva (Renca) na Amazônia 
Governo revoga decreto sobre reserva na Amazônia (Renca), mas extinção e exploração são mantidas
Temer acaba com reserva entre o Pará e o Amapá que abriga nove áreas protegidas

Foto: Estação Ecológica do Jari © WWF-Brasil/Zig Koch

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta