Microplástico contamina solo até de montanhas mais remotas da Suíça

microplástico é encontrado no solo de montanhas da suíça

Muito tem se falado sobre a contaminação de micropartículas plásticas nos oceanos, mas infelizmente, não é só no mar que o impacto ambiental desse tipo de resíduo pode ser observado.

Um estudo divulgado pela Universidade de Berna revela que foram encontradas 53 toneladas de micropartículas plásticas depositadas em áreas de várzeas de rios de reservas naturais da Suíça.

Os pesquisadores analisaram amostras de solo de 29 rios e detectaram a presença de fragmentos de plástico, com tamanho aproximado de 5mm, em 90% destes locais.

O mais alarmante é que a poluição acontece até em lugares distantes, em áreas de montanhas protegidas, uma indicação que este lixo possa ser carregado pelo vento.

“Essas descobertas são alarmantes”, afirma Michael Scheurer, um dos autores da pesquisa. “Novos estudos indicam que o microplástico no solo pode ser prejudicial e até matar minhocas, por exemplo. Como consequência, isso poderá comprometer a fertilidade da terra porque minhocas são vitais para a sua saúde”.

Fragmentos de um balão encontrado em  Vallée de Joux , no Cantão de Vaud

Até agora, não existia uma metodologia para o estudo da contaminação de plástico no solo. Os cientistas do Instituto de Geografia da Universidade de Berna tiveram que desenvolver um novo método.

Todavia, os suíços não sabem dizer ainda a extensão do impacto da presença do plástico no solo e sobretudo, sobre a agricultura, a produção de alimentos e a saúde humana.

“Ainda há uma grande necessidade de pesquisa sobre a questão, de como as micropartículas plásticas podem afetar a segurança alimentar e a cadeia de alimentos”, ressalta Moritz Bigalke, um dos coautores do estudo.

O plástico surgiu como uma das grandes invenções da humanidade. Leve, prático e barato, serve como embalagem para tudo. E com isso, sua produção deu saltos gigantescos ao longos das últimas décadas. Em 1964, foram 15 milhões de toneladas fabricadas. Em 2015, este número pulou para 322 milhões de toneladas.

Estima-se que atualmente os oceanos contenham 300 milhões de toneladas de plástico. São aproximadamente 5 trilhões de pequenas partículas plásticas boiando pela água. Apesar de muitas poderem ser vistas na superfície, após a lenta degradação e fragmentação destes resíduos, eles vão parar no fundo do mar, o que torna ainda mais difícil sua dispersão.

Leia também:
Sacola plástica é encontrada no abismo mais profundo dos oceanos
Mancha de lixo do Pacífico é 16 vezes maior do que se supunha
Fibras plásticas estão presentes na água que o mundo inteiro bebe, inclusive, o Brasil
Principais marcas de água em garrafa do mundo estão contaminadas com microplástico, denuncia novo estudo

Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta
Estados Unidos proíbem uso de micropartículas plásticas em cosméticos
Lixo plástico ameaça 99% das aves marinhas

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta