Metrô de Santiago será primeiro do mundo a funcionar com energias solar e eólica

metrô de santiago

*Por Marli Kuhnen, de Santiago

O metrô de Santiago, capital do Chile, está prestes a realizar um feito histórico: se converter no primeiro do mundo a ser alimentado prioritariamente por energias renováveis. Segundo o jornal La Tercera, o projeto prevê que em 2018, 60% de toda a matriz energética consumida pelas linhas provenha dessas fontes.

Para atender o projeto que tem investimentos de cerca de 500 milhões de dólares, estão em construção no Deserto do Atacama, um parque solar e outro eólico que fornecerão a energia que será transmitida até Santiago pelo Sistema Interconectado Central (SIC), principal rede de distribuição elétrica do país.

O ministro de Energia, Máximo Pacheco, citado pelo portal El Dínamo, comentou: “Nos sentimos orgulhosos de saber que teremos o primeiro metrô do mundo que vai funcionar com radiação solar”.

A planta fotovoltaica denominada “El Pelicano” está sendo construída pela empresa francesa Total Sun Power na região de Coquimbo, norte do país. Ela produzirá o equivalente ao consumo de 100 mil casas, ou seja, 111 megawatts de potência nos seus 255 mil painéis solares. Este parque deverá atender 42% das necessidades do metrô.

Já o consórcio brasileiro Latim America Power (LAP), formado pela empresas ERSA/CPFL, BTG Pactual, Pátria Investimentos e GMR, será responsável pela construção do maior parque eólico chileno, na província de Vallenar, também ao norte do Chile. O parque  denominado San Juan Aceituno contará com 56 aerogeradores e capacidade de 185 megawatts. O metrô absorverá deste empreendimento 18% da energia que precisa.

Os restantes 40% de energia que o metrô demanda para seu funcionamento continuará recebendo da Chilectra, empresa de energia convencional.

Com a medida, estima-se a redução da emissão de cerca de 130 mil toneladas de CO2 (dióxido de carbono, gás principal responsável pelo aquecimento global) no ar por ano, o que equivale ao plantio de 7,8 milhões de árvores.

O metrô de Santiago transporta diariamente 2,5 milhões de pessoas, em sua rede atual de 103 quilômetros, que está em fase de expansão e em 2017 deverá contar com mais 37 quilômetros. O trecho novo a ser anexado também conta com outra novidade: o sistema de energização será totalmente aéreo, não passando mais pelos trilhos, como ocorre no restante das linhas.

Leia também:
Metrô de Londres usa tecnologia para reciclar energia gerada por freios
Trens da Holanda funcionarão somente com energia eólica
Suécia inaugura primeira estrada elétrica do mundo

Fotos: J.A.V.I/Creative Commons/Flickr

Marli Kuhnen

Jornalista formada pela Cásper Líbero, em São Paulo, e jardinista formada pela Natureza. Tem uma empresa de jardinagem e meio ambiente no interior de P. Além disso, escreve o Blog Jardim Sustentável. Atualmente mora em Santiago, no Chile, de onde colabora para o Conexão Planeta.

Deixe uma resposta