Marca de jeans recebe duras críticas por campanha com modelos brancos desfilando em tribo indígena

Marca de jeans recebe duras críticas por campanha com modelos brancos desfilando em tribo indígena

A intenção era homenagear a Amazônia, seus povos e sua biodiversidade. Mas a estratégia escolhida pelo marketing da marca Paco Jeans foi péssima e gerou muita polêmica e indignação nas redes sociais.

Para ilustrar sua coleção para o verão 2020, a empresa levou dois modelos – brancos, de olhos claros e com corpos perfeitos -, para desfilar as peças da marca em uma tribo e ter, como ‘pano de fundo’, indígenas.

Na foto abaixo, a modelo olha fixamente para a câmera, enquanto alguns dos ‘figurantes’ indígenas olham para o chão ou lado, em uma imagem que nos remete a uma secular e inaceitável, nos dias de hoje, submissão.

Devido à péssima repercussão que a campanha teve nas mídias sociais, os comentários no Instagram da Paco Jeans foram bloqueados, mas no Twitter, os internautas ainda mostram a irritação dos brasileiros com a falta de noção da equipe de comunicação da marca.

“A maioria das pessoas aponta o claríssimo aspecto fake da ideia, outros criticam a apropriação de aspectos da vida dos indígenas para vender algo que não tem nada a ver com esse povo”, diz o jornalista Fernando Rodrigues, que foi quem me chamou a atenção sobre a notícia.

Abaixo, alguns dos comentários pincelados do Twitter:

“Esse negócio da #pacojeans só mostra o tanto que o povo não tem respeito por nada”…

“Eu tô a pelo menos uma hora vendo o trabalho de um fotógrafo (muito bom, por sinal) que fez uma campanha temática INDÍGENA pra #pacojeans. Sim, isso aí. Uma campanha tema indígena… pra uma loja de calça jeans“…

“Tamo quase chegando em 2020 e a branquitude não quer desapegar do passado. É só olhar p campanha publicitária da #pacojeans, que insiste em colocar uma etnia INTEIRA como alegoria pra vender suas roupas com direito a homem branco de cocar”…

O Conexão Planeta tentou entrar em contato com a Paco Jeans para ouvir o posicionamento da marca sobre as duras críticas recebidas. Enviamos e-mails para a área de marketing e para o gerente de marketing do grupo, através do LinkedIn. Como hoje é feriado (15/11), ainda não obtivemos resposta.

A Paco Jeans faz parte do Grupo MPL, com sede em Goiânia.

Desde seu lançamento, o Conexão Planeta preza pela defesa e valorização dos povos indígenas brasileiros. Ao longo dos últimos quatro anos, por exemplo, no blog Ameríndios do Brasil, o fotógrafo e documentarista Renato Soares mostra seu trabalho, em viagens para retratar a expressão cultural do país e a identidade dos povos indígenas. Com seus textos e imagens, o indigenista quer fortalecer ainda mais sua missão, revelando aspectos únicos de sua convivência com esses povos e torná-los mais conhecidos do público, para que sejam respeitados e ouvidos. Afinal, ninguém protege o que não conhece.

Também divulgamos, constantemente, a batalha dos indígenas brasileiros, em nossas notícias, pela garantia de proteção e segurança de seus povos e suas terras.

Para nós, o uso da imagem de indígenas, completamente deslocados, em uma campanha de moda, é uma agressão à sua cultura e a tudo o que eles representam.

Fotos: reprodução redes sociais Paco Jeans

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta