Mar de lama tóxica avança pela costa do Espírito Santo

onda de lama avança pelo mar do Espírito Santo

O mar de lama, proveniente de um dos maiores desastres ambientais brasileiros, continua seguindo seu rastro de destruição por onde passa. A imagem acima foi feita nesta quarta-feira (24/11),  por técnicos do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

A onda tóxica com rejeitos de minérios, que devastou a vida do Rio Doce após o rompimento de uma barragem da empresa Samarco (pertencente à Vale e australiana BHP Billiton ), no município de Mariana, em Minas Gerais, em 5/11, chegou no sábado passado (21/11) ao mar do Espírito Santo, mais exatamente, próximo ao vilarejo de Linhares, em Regência, no norte do Estado.

Segundo os técnicos do Iema, a onda de lama já se deslocou 5 km ao sul do local, 20 km ao leste e 30 km ao norte da foz do Rio Doce, em Regência. A área é considerada um importante berçário ambiental para diversas espécies, entre elas, tartarugas. Biólogos do projeto Tamar fizeram mutirão para tentar remover o maior número de tartarugas da região, inclusive de ovos, deixados em ninhos na areia.

As barreiras colocadas no mar pela Samarco, de nada serviram para conter a contaminação da água pela lama. Hoje a Vale admitiu publicamente – porque até agora havia negado o fato –, que parte dos 35 milhões de m3 de rejeitos de minérios que destruíram cidades mineiras, mataram pessoas e toda vida ao longo do Rio Doce, vieram de uma de suas minas na região.

A informação, publicada pelo jornal Folha de São Paulo ontem (23/11), foi divulgada treze dias após a multinacional ter afirmado ao Wall Street Journal que “não tinha nenhuma responsabilidade com o ocorrido”.

O mar de lama brasileiro, que levou o país às principais manchetes dos jornais internacionais, continua destruindo o meio ambiente e mostrando a falta de vergonha, ética e moral dos envolvidos neste trágico episódio.

Leia também:
Pesquisadores criam grupo (e crowdfunding) para fazer análise voluntária do impacto da lama tóxica no Rio Doce
Sebastião Salgado pede criação de fundo para recuperação do Rio Doce
A tragédia humana de Bento Rodrigues

Foto: Fred Loureiro/Secom/Fotos Públicas

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

3 comentários em “Mar de lama tóxica avança pela costa do Espírito Santo

Deixe uma resposta