Maior festival de rock da Inglaterra bane garrafas plásticas

Maior festival de rock da Inglaterra bane garrafas plásticas
Glastonbury é o mais icônico festival de rock do Reino Unido. É uma espécie da Woodstock britânico, que nasceu influenciado pelo movimento hippie e do “paz e amor”. O primeiro evento aconteceu em 1970, um dia após a morte de Jimmy Hendrix, com um público de apenas 1.500 pessoas.

Atualmente, nos cinco dias do festival, que acontece sempre no mês de junho, cerca de 200 mil pessoas acampam e assistem aos shows e eventos artísticos do Glastonbury, realizado na pequena cidade de Pilton, em Somerset. É considerado o maior “greenfield festival”, em campo aberto, do mundo. Em 2017, subiram ao palco Pirâmide, entre outros, Radiohead, Foo Fighters e Ed Sheeran.

O festival acontece anualmente, mas a cada cinco anos há uma pausa, para dar aos organizadores e à terra e a população local um descanso, parte da preocupação ambiental e social do evento.


A estimativa é que sejam vendidas quase 1 milhão de garrafas plásticas em Glastonbury

E esta semana, foi divulgado que na próxima edição do Glastonbury, em 2019, ficará proibida a comercialização e uso de garrafas plásticas. A decisão foi anunciada por Emily Eavis, filha do fundador do festival, Michael Eavis, em entrevista à BBC Radio 6.

Desde 2014, já existem quiosques de água, onde o público pode encher suas garrafas gratuitamente. Em 2016, foi a vez dos organizadores estimularem o uso de garrafas de alumínio, que podiam ser devolvidas em troca de um depósito de 5 libras. Em apenas 48 horas, as garrafas esgotaram.

Nesse mesmo ano, os organizadores promoveram a campanha “Love the farm…leave no trace”, com o intuito de engajar o público de Glastonbury a não deixar resíduos e lixo para trás. Além disso, eram incentivados o uso de transporte público e compartilhado e a reciclagem.

Paz e Amor e nada de lixo, por favor!

A iniciativa segue um movimento pelo fim do uso de garrafas plásticas no Reino Unido. Recentemente mostramos aqui, neste outro post, que a prefeitura de Londres anunciou a instalação de bebedouros pela cidade.

Estima-se que um milhão de garrafas plásticas são vendidas por minuto no planeta, ou seja, 20 mil são compradas a cada segundo no mundo. Os números são da pesquisa Global Packaging Trends Report da consultoria Euromonitor International.

Apenas em 2016, foram comercializadas 480 bilhões de garrafas feitas com plástico. E se este consumo, já não fosse suficientemente alarmante, deve crescer mais 20% até 2021, chegando a 583 bilhões de unidades.

E aí, Rock in Rio, que tal seguir o exemplo?

Imagem aérea do festival em 2017

Leia também:
França proíbe vendas de copos, pratos e talheres de plástico
Embalagem de xampu feita com lixo plástico marinho chega às prateleiras da França
Bactéria que come plástico PET pode ser solução contra poluição? 
Transformar plástico em energia: solução para acabar com o lixo nos oceanos?
Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta

Lixo plástico ameaça 99% das aves marinhas

Fotos: divulgação Glastonbury Festival/Andrew Allcock, Anna Barclay (tendas), Andy Eliot (imagem aérea símbolo paz e amor)

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta