“Líderes que negam as mudanças climáticas estão do lado errado da história”, acusa Harrison Ford


“Líderes que negam as mudanças climáticas estão do lado errado da história”, acusa Harrison Ford

Esta é a segunda vez, em menos de seis meses, que o ator americano e ativista Harrison Ford, aproveita um evento internacional para recriminar os líderes políticos que negam o aquecimento global.

Famoso por seus personagens no cinema, como Hans Solo, em Guerra nas Estrelas, e Indiana Jones, Ford é vice-presidente da organização Conservation International. Nos últimos anos, ele tem feito um árduo trabalho para chamar a atenção sobre os efeitos das mudanças climáticas.

Em setembro do ano passado, conforme mostramos aqui, neste outro post, Ford fez um discurso inflamado, em que destacou a importância do voto, no Global Climate Action Summit, em São Francisco. “Parem, pelo amor de Deus, de denigrir a Ciência. Parem de dar poder a pessoas que não acreditam na Ciência, ou pior do que isso, fingem que não acreditam nela por interesse próprio. Eles sabem quem são. E nós sabemos quem eles são!”, em referência clara à eleição do presidente Donald Trump.

Agora, dessa vez em Dubai, durante o World Government Summit, o ator foi ainda mais enfático. “A lógica seria que o mundo se sentisse forçado a agir rapidamente devido ao consenso do que a Ciência nos diz sobre as ameaças das mudanças climáticas. Mas para preservar a segurança de seu status quo, diversos líderes – incluindo o do meu país – negam ou denigrem a Ciência. Eles estão do lado errado da história ”, disse.

“Estamos enfrentando, o que acredito ser, a maior crise moral de nosso tempo”, continuou. “E aqueles menos responsáveis pela destruição da natureza sofrerão as maiores consequências. As mudanças climáticas causarão mais de 250 mil mortes nas próximas décadas”.

Vale lembrar, que aqui no Brasil, por exemplo, há algumas semanas, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (sim, o mesmo que disse há dois dias “Que diferença faz quem é Chico Mendes?”, em programa de TV), afirmou que “tem coisas mais tangíveis com que se preocupar do que a mudança climática”, que segundo ele é uma discussão “acadêmica” sobre como estará a Terra “daqui a 500 anos”.

Ford falou ainda sobre a urgente necessidade de ação. “O aquecimento dos oceanos é 40 vezes maior do que tinhamos antecipado. Soluções precisam ser globais. Precisamos entender a complexidade disso”, alertou. O ator se refere a um estudo, divulgado em janeiro deste ano, e que indicou também, que o mar poderá subir 30 cm até o final do século.

O ativista lembrou que 75% das maiores cidades do mundo estão em zonas costeiras. À medida que os oceanos aquecem, glaciares derretem e o nível do mar sobe, a população desses locais corre sério perigo. “Ilhas deixarão de existir. Para onde essas pessoas irão?”, indagou.

Harrison Ford terminou sua participação no encontro de Dubai repetindo uma frase, que ficou muito famosa, no vídeo O Oceano, um dos filmes da série A Natureza está Falando, criada pela organização Conservation International e no qual ele é o narrador.

“Se eu não for mantido saudável, humanos não irão sobreviver. Simples assim. Eu não estou nem aí para vocês. Eu sou o oceano. Já cobri este planeta todo um dia. E posso fazer isso novamente”.

Leia também:
Trump volta a debochar do aquecimento global diante de onda de frio polar que castiga os Estados Unidos

Novo ministro de Relações Exteriores do Brasil acredita que as mudanças climáticas são “conspiração marxista”

Foto: reprodução Twitter Khaleej Times

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta