Jornal da Suécia anuncia que não aceita mais publicidade associada a combustíveis fósseis

Jornal da Suécia anuncia que não aceita mais publicidade associada a combustíveis fósseis

Dagens ETC é um jornal verde. Priorizamos a questão climática porque é mais importante do que qualquer outro tema. Simplesmente não podemos publicar anúncios para a indústria de combustíveis fósseis. Essa é uma decisão que tivemos que tomar e que talvez tenhamos demorado muito a fazer. Mas a partir de agora, o Dagens ETC está removendo toda a publicidade de combustíveis fósseis. Nossos assinantes nunca mais verão um anúncio desses bens ou serviços em nosso jornal”.

O comunicado foi feito há poucos dias por Andreas Gustavsson, editor chefe da publicação sueca.

Fundado em 2014, o Dagens ETC é um jornal diário impresso e com versão online. Para os proprietários e membros do conselho, a decisão de não veicular mais propaganda de companhias ou serviços que usem combustíveis fósseis (petróleo, diesel, carvão) é importante para manter a credibilidade do veículo e a coerência com aquilo que publicam.

“Uma política de publicidade restritiva significa que teremos um impacto financeiro, mas também estou convencido de que essa será uma decisão sábia a longo prazo. Isso é do interesse de nossos assinantes, nossos repórteres, nossos anunciantes amigos do clima e nossa credibilidade.
Imagine este texto acompanhado por um anúncio de, digamos, voos baratos para as Maldivas. Simplesmente não é aceitável”, diz Andreas.

O jornalista afirma que outros veículos de comunicação deveriam seguir o exemplo, se estiverem realmente comprometidos com a questão ambiental e o combate às mudanças climáticas.

O sueco enumera uma série de outras medidas que acredita serem de extrema importância para que a imprensa contribua para a disseminação de informações verídicas e imparciais e também, para o esclarecimento da sociedade perante um assunto tão vital nos dias atuais:

– Livrar-se da negação da ciência climática!
Como jornalista, não se é obrigado a cogitar ou debater com os negadores do clima. O profissional tem os fatos, os negacionistas têm teorias da conspiração. Existe uma verdade científica. O que resta são pessoas que negam, confundem e acabam atrasando a ação.

– Contextualizar!
Incêndios na Califórnia. Uma nova mina de carvão na Austrália. As companhias de seguros suecas relatam que o verão passado foi tão quente que os móveis realmente derreteram. O Havaí registra 415 ppm de dióxido de carbono na atmosfera. Há um padrão nesse cluster de eventos de notícias.

Mas é raro, muito raro, que esse padrão seja abordado na mídia.
Em outubro de 2018, o norte da Suécia registrou temperaturas recordes. Por quê? Ficou muito quente! Isso acontece de vez em quando ”, disse um meteorologista da SVT.

Há uma tendência clara e documentada. A crise climática aumenta o risco de clima extremo. Mas se nada for colocado em contexto … Bem, é isso que acontece.

– Usar linguagem que descreva a nova realidade!
Recentemente, o The Guardian (jornal britânico) atualizou seu guia de estilo para garantir que as reportagens utilizem uma linguagem que descreva com precisão a realidade iminente da crise climática, em vez de simplesmente, “mudanças climáticas”.

Todo e qualquer meio de comunicação tem a obrigação de usar terminologia relevante diante de uma crise climática em andamento. Este não é um problema distante que nossos netos serão capazes de lidar com alguma nova solução tecnológica que eles, aliás, também precisarão inventar.

Manter uma terminologia desatualizada não oferece uma representação verdadeira da realidade em que nos encontramos. Pode, no entanto, oferecer uma falsa sensação de segurança para aqueles que realmente preferem que o mundo continue no caminho em que está (ladeira abaixo).

– Concentrar-se em quem realmente está destruindo nosso planeta!
A cobertura da mídia sobre questões climáticas tende a se concentrar no indivíduo, fazendo você se perguntar se deve parar de voar ou comer carne. Mas, certamente, a tarefa do jornalismo investigativo deve ser descobrir por que o setor de aviação está constantemente isento de interferências políticas e por que passou décadas se recusando a investir em combustíveis mais sustentáveis.

O foco atual é individual, e não estrutural, e significa que algo se perde.
E esse é o verdadeiro culpado. O verdadeiro criminoso.

Há uma razão para você saber aproximadamente qual é o tamanho da sua pegada de carbono, mas não que 100 empresas sejam responsáveis ​​por 70% de todas as emissões de dióxido de carbono desde os anos 80. O jornalismo tem sido passivo em relação a essas empresas, bem como aos políticos que lhes permitem continuar impunemente.

“Essas questões me forçaram a concluir. Por que o jornalismo é tão passivo em relação àqueles que destroem o planeta? Como os meios de comunicação lutam para colocar os interesses de seus leitores, telespectadores e ouvintes à frente dos interesses da economia fóssil?”, questiona Andreas.

Anúncio do Dagens ETC nas redes sociais compartilhando
decisão de dar um basta na publicidade dos combustíveis fósseis

Leia também:
Greta Thunberg está na lista da Time das 15 mulheres que lideram a luta contra as mudanças climáticas
Tempestades intensas e perda de vida marinha já são inevitáveis, afirma novo relatório do IPCC
Grupo de jovens, entre eles, Greta Thunberg e ativista brasileira, denunciam Brasil e outros países na ONU
Julho é o mês mais quente da história e coloca 2019 entre os cincos anos mais tórridos

*Com informações e textos do Dagens ETC

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta