Japonês, “Rei do Sushi”, compra em leilão atum, espécie em risco de extinção, por US$ 3,1 milhões

Japonês, “Rei do Sushi”, compra em leilão atum, espécie em risco de extinção, por US$ 3,1 milhões

Difícil ter algo a comentar sobre a notícia acima. Ela já diz tudo. O melhor seria deixar este post em branco, mas como se calar?

É realmente inacreditável conceber que alguém, nos dias de hoje, não apenas comemore publicamente, mas pague um valor exorbitante por um peixe, que consta na lista das espécies ameaçadas de extinção.

Pois foi exatamente que fez isso o japonês, Kiyoshi Kimura, conhecido como o “Rei do Sushi”, em Tóquio, durante um leilão no mais famoso mercado de peixes do mundo. O empresário, dono de uma cadeia de restaurantes, desembolsou US$ 3,1 milhões por um atum-azul gigante, que pesava 278 kg. O valor é um recorde, o dobro do que foi pago por um peixe similar há alguns anos.

Os japoneses são os maiores consumidores globais dessa espécie, o que fez com a busca por ela (a sobrepesca) fizesse com que, ano a ano, ele se tornasse mais raro nos oceanos. Estimativas apontam que a população dos atuns-azuis, sobretudo do Pacífico, foi reduzida em mais de 90% nas últimas décadas.

O animal foi pescado na costa do Japão, país que recentemente anunciou que voltará a caçar baleias comercialmente e que deixará de fazer parte da Comissão Internacional de Baleias, que em 1986, decretou uma moratória global à caça comercial a este gigante dos mares.

Lamentável, muito lamentável. E se você gosta de comida japonesa, antes de comer o próximo sushi de atum, pense duas vezes. Será mesmo que não pode ser feito com outro tipo de peixe, que exista em maior abundância em nossos mares?

Leia também:
Artistas tiram a roupa em protesto contra a sobrepesca na Europa
Impacto do homem atinge praticamente todos os oceanos do planeta
Poluição química nos oceanos pode matar 50% da população das baleias orcas

Foto: reprodução vídeo internet The Guardian

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta