Já estão abertas inscrições para o programa “Para Mulheres na Ciência 2020”. Participe!

Já estão abertas inscrições para o programa Para Mulheres na Ciência 2020. Participe!

O mundo precisa de ciência e a ciência precisa de mulheres. É com este moto, que a Fundação L’Óreal, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), oferece anualmente programas de bolsas para auxiliar as pesquisas e estimular as carreiras de jovens cientistas do mundo inteiro, além de conceder um prêmio de 100 mil euros a cinco grandes nomes – mulheres – da ciência mundial.

Os programas de bolsas são divididos nas versões nacionais e regionais, o Para Mulheres na Ciência, e nas seleções globais, chamadas de International Rising Talents.

Em 2020, o programa Para Mulheres na Ciência, que em nosso país tem o apoio da Academia Brasileira de Ciências, comemora 15 anos no Brasil. Todo ano, sete jovens pesquisadoras das áreas de Ciências da Vida, Ciências Físicas, Ciências Químicas e Matemática são contempladas com uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil cada, para dar prosseguimento aos seus estudos. Até hoje, a iniciativa já premiou 96 cientistas brasileiras.

E as inscrições para esta edição já estão abertas e podem ser feitas até o dia 8 de maio!

Para participar, é necessário que a candidata tenha concluído o doutorado a partir de 01/01/2013, more no Brasil, desenvolva projetos de pesquisa em instituições nacionais, entre outros requisitos. O regulamento completo e mais informações sobre o programa você encontra neste link.

Quatro brasileiras já conquistaram o International Rising Talents: a farmacêutica Carolina Horta, em 2015, a química Elisa Orth, em 2016, a bióloga Fernanda Werneck, em 2017 e agora, em 2020, a bióloga Patrícia de Medeiros (leia mais aqui).

Leia também:
Sete brilhantes e jovens pesquisadoras brasileiras ganham o prêmio “Para Mulheres na Ciência 2019”
Onde estão as mulheres? ONU se inspira em ‘Wally’ para mostrar desigualdade na política, na ciência e na tecnologia
Estudante que criou canudo biodegradável e comestível com inhame é convidada a representar Brasil em feira internacional de Ciências
Brasil lidera ranking mundial de igualdade de gênero na Ciência

Foto: divulgação/Unesco

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta